09 outubro 2007

À volta de Roios

Depois de uma subida transpirada ao alto do Facho, voltei atrás, desci a serra em direcção à Lixeira Municipal. Curiosamente alguém aproveitou a lixeira para fazer um circuito para todo o terreno! Achei caricato os gostos, mas admirei o aproveitamento do espaço. Segui durante pouco tempo pela N214, em direcção à Trindade, mas, pouco depois, cortei pela pequena estrada que liga a Roios. Nunca tinha percorrido esta estrada de bicicleta e, com o clima tão instável, não me apetecia ir muito longe.
A descida é muito rápida, mas fiz algumas paragens para saborear o Outono. Algumas vinhas ainda tinham uvas. Na bordadura das mesmas havia árvores carregadas de frutos coloridos. Os castanheiros começam a dobrar-se com o peso dos ouriços que ameaçam estourar a qualquer momento.
Num lameiro seco pelo Verão, já despertaram as tão belas quanto mortíferas flores duma planta do género Colchicum. Não sei bem se se trata da Colchicum lusitanum Brot ou da Colchicum autumnale, parentes muito próximas, ambas da família das Colchicaceae. A luz era pouca para me dedicar à macrofotografia, mas, encostei a bicicleta e deitei-me no lameiro à procura de um ângulo favorável desta beldade, também conhecida como dama-nua. Não confundir esta planta com o açafrão (Crocus sativus).
Continuei até Roios. É sempre agradável passear nesta pequena aldeia. Em muitos recantos há vasos com plantas suspensos emprestando um ar colorido e romântico. Depois de um curto passeio por algumas ruas, decidi continuar a descer em direcção a Lodões. O objectivo era subir por um antigo caminho entre a Quinta do Vale da Cal e a Quinta do Israel, que vem apanhar a estrada de Roios já bem próximo de Vila Flor. Esta parte do percurso ia ser uma verdadeira descoberta. Nunca por aí tinha passado, não fazia a mínima ideia de onde me ia meter.
Antes de chegar à Quinta do Prado de Baixo, pelos 300 metros de altitude, virei à direita. Há um caminho que segue para o Cabeço do Pereiro, por onde já passei e outro que curva para Poente em direcção à Ribeira de Roios. O caminho é bom, devia ser uma via importante há alguns anos atrás. Logo depois da ponte sobre a ribeira, há algumas ruínas. Deviam ser antigas azenhas. Há muitas silvas, é impossível explorar o local. Encontrava-me eu a rodear as construções, quando começou a chover. Aproveitei a ombreira da porta para me proteger da chuva. Passados poucos minutos pude continuar. O caminho que conduz à Quinta de Vale da Cal atravessa uma ribeira que desce desde o Alto da Caroça. É um local paradisíaco, com frondosas árvores, gigantescas, mas que não consegui identificar com exactidão. Uma pareceu-me um plátano mas há outra que merece atenção, pode ser um exemplar digno de referência no concelho e na região.

A partir deste ponto, o caminho sobe muito. Mesmo com um clima instável, a paisagem é fantástica. Em vários pontos, abandonei o caminho, para olhar com mais atenção a ribeira que passa por Vila Flor e desce ao encontro da Ribeira de Roios, saltando de pedra em pedra, em pequenas cascatas, em locais escarpados de difícil acesso. A beleza da ribeira, à distância, pode ser maior. Pelo que conheço deste curso de água, perto da Quinta de S. João, junto a Vila Flor, a água espalha um cheiro muito desagradável. Não sei até que ponto a ETAR de Vila Flor está a realizar um bom trabalho. Felizmente ao longo do curso da ribeira, a água vai oxigenando e recuperando alguma vida.
A Quinta do Israel está completamente votada ao abandono. Muitos hectares de olival reclamam cuidados e as casas, mesmo vistas à distância, ameaçam cair. Quando passo por locais como este, gosto de fazer viagens no tempo, tentando adivinhar como seria a vida nestes locais, há algumas décadas atrás. A subida é longa, deu-me tempo para viajar, saborear o silêncio, fotografar pormenores, expurgar o stress e limpar os poros abertos por enxurradas de suor.
Quando cheguei à estrada N608-1, segui em direcção a Roios durante algum tempo para ver os trabalhos de recuperação da via. Por fim, já com os últimos raios de Sol a passarem pela Porta do Sol, regressei a casa. Além da viagem dos quilómetros, 19 ao todo, houve outra viagem: de observação, sensação e introspecção. Mais do que as palavras, as fotografias mostram essas viagens.
Quilómetros do percurso: 19
Total de quilómetros em bicicleta: 1525

3 comentários:

Anónimo disse...

Excelente fotografia a do bogalho, com aqueles "salpicos" de água...

Alexandrina Areias

Esmeralda disse...

Olá
Um regalo de fotos!
Abraço
Esmeralda

euroluso disse...

Há quanto tempo não vejo um bogalho, Deus meu! E este, molhado da chuva, já nos faz sentir a frescura do Outono! Parabéns pela foto.Gosto das gotinhas cristalinas no bogalho e da paisagem desfocada.