31 janeiro 2012

Flor do Mês - Janeiro 2012

 Demorei algum tempo a escolher a flor para representar este mês de janeiro, prestes a findar. Por um lado o leque de escolha é bastante reduzido, depois, as fotografias nem sempre saem como o desejado e não ia mostrar uma flor triste, sem cor. Até foi bom, porque a minha escolha acabou por recair numa espécie bastante bonita e interessante.
A calêndula (Calendula arvensis) tem um colorido que não passa despercebido durante os meses de inverno. Podemos encontrá-la nas encostas da berma da estrada e em terrenos incultos mas é nos terrenos cultivados, como olivais e vinha que ela está bastante presente durante o mês de janeiro. Em todo o vale da Vilariça rivaliza com as margaças (talvez a Chamaemelum fuscatum)e algumas Brassicaceas a alegrar os campos bastante despidos de folhas e de alegria.
A calêndula tem uma parente bastante próxima que quase toda a gente conhece, a calêndula officinalis, muito frequente nos jardins e já conhecida e utilizada como planta medicinal por gregos, romanos, árabes e outras civilizações do oriente. A calêndula escolhida para representar o mês de janeiro tem as flores mais pequenas do que a espécie usada nos jardins, mas partilha com ela a maior parte das características.
É frequente em todo a península Ibérica, nos Açores e Madeira, mas também em grande parte da Europa e África. Trata-se de uma planta anual, que pode atingir mais de 25 cm de altura, com flores alaranjadas ou amareladas. De acordo com os registos da UTAD, a floração ocorre de dezembro a maio. As características botânicas são complexas e por vezes aborrecidas para quem não se interessa por esta matéria, mas há algumas características que são facilmente identificáveis por um leigo. Uma delas é a flor em capítulo, ou seja com um vasto conjunto de flores num disco central, rodeado por um conjunto de flores periféricas que identificamos como "as pétalas". Esta "flor" é sobejamente conhecida nas margaridas, mal-me-queres, girassol ou gerbera.
Os romanos chamavam-lhe solsequium, que significa seguir o sol, uma vez que a calêndula tem um comportamento semelhante ao girassol, seguindo o sol de acordo com a rotação da terra. Ao cair da noite as flores fecham e só se abrem ao nascer do dia.
Toda a planta pode ser usada para fim medicinais, desde as flores às raízes. Na sua composição entram algumas substâncias com interesse medicinal, de entre os quais a calendulina. Tem uma lista enorme de utilizações: uso interno (fervendo flores ou folhas em água ou leite - funciona como regulador do fluxo menstrual, reduz inflamações, aumenta o número de glóbulos vermelhos no sangue e ativa a circulação, servindo ainda como remédio para o estômago, intestino, ulceras gástricas ou infeções causadas por bactérias; uso externo (sob a forma de pomada) - pode ser usada contra queimaduras, contorções, eczema, hemorroides, etc.
É incrível mas não conheço nenhuma utilização desta planta, no concelho!
Em Espanha esta planta tem alguns nomes curiosos, como erva vaqueira, erva do podador, erva lava-mãos, cu-de-velha, pata-de-galo, unha-de-gato, flor dos mortos, etc. Em Portugal a lista é mais curta: Calendula; Erva-vaqueira; Malmequer-dos-campos; Vaqueira.
Quando passar pelos campos nos próximos meses e vir esta planta. é bom lembrar que está ali um espécie vegetal cheia de potencial.

As fotografias foram tiradas durante o mês de Janeiro, entre Roios e Lodões.
Outras Flores do Mês de Janeiro:

30 janeiro 2012

Arrematação de S. Sebastião (2012)

Teve lugar ontem, em Freixiel, a tradicional arrematação de S. Sebastião, que todos os anos acontece por esta altura, mais dia menos dia.  O dia de S. Sebastião foi dia 20, mas este evento, nos últimos anos, tem ocorrido mais próximo do fim do mês.
Estes peditórios, seguidos de arrematação, não são únicos no concelho, mas, em Freixiel, esta antiga tradição mantém-se viva e é significativa, em oposição a outras que se realizavam no concelho (como o peditório seguido de leilão do Menino Jesus, no Seixo de Manhoses). Em Freixiel também se realizava no dia primeiro do ano o peditório para o Menino Deus.
 S. Sebastião tem em Freixiel uma pequena capela, situada na Portela da Forca, a nascente da aldeia. Estas capelas, a nascente das vilas, foram mandadas construir por D. Manuel I (no séc. XVI) para proteger os habitantes da peste. É simples, sendo apenas de assinalar o arco gótico da porta.
A par da força que esta tradição ainda mantém, é de realçar também a existência do habito de levar a leilão algumas embalagens "surpresa" conhecidas como Segredos. Quem "pica" e acaba por comprar estas caixas, por vezes ricamente embrulhas com fitinha colorida e tudo, não faz a mínima ideia do que elas contêm, havendo mesmo a convicção que possam conter coisas pouco agradáveis, como ratos ou outros animais de pequeno porte. Por isso, o leilão dos Segredos não atinge montantes significativos, mesmo havendo uma boa quantidade deles. Os Segredos foram os primeiros produtos a ser leiloados. Todos os que vi abrir tinham um conteúdo agradável, tal como figos secos, chávenas, chocolates, rebuçados, lenguiças, etc. Registei apenas a existência de uma pedra, possivelmente para aumentar o peso da caixa!
Significativa é a quantidade e bolos que vão a leilão. Todos são acompanhados por garrafas que vão do vinho verde, ao vinho do Porto, passando pelo whisky. Por vezes o preço alcançado mal daria para pagar a garrafa da bebida, quanto mais o bolo! Mas, dada a quantidade de produtos que são arrematados, é costume conseguirem-se algumas centenas de euros que revertem para o altar de S. Sebastião.

Os produtos da terra, principalmente batatas, cebolas, azeite e figos secos, são aguardados com alguma expectativa, sendo uma oportunidade de os conseguir a preços mais vantajosos do que os praticados no comércio. Também o fumeiro marca uma boa presença, sendo, por vezes os produtos que atingem preços mais elevados. As línguas de porco eram muitas vezes oferecidas para leilão, mas este ocorria em qualquer domingo, depois da missa, não sendo um produto muito oferecido para a arrematação de S. Sebastião. Disseram-me que, nalguns domingos, havia mais de 10 línguas para arrematação, mas neste leilão apenas havia uma! Esta situação é compreensiva porque praticamente acabaram as matanças tradicionais do porco e também se alteraram os hábitos alimentares das pessoas.
Embora me queira parecer que havia menos produtos de que em anos anteriores e alguma retração na hora de "mandar", a oferta era abundante e variada e juntou no adro da igreja um bom número de pessoas. É de registar que vêm pessoas de fora, expressamente para comprarem neste leilão.
O dia esteve agradável, cheio de sol, proporcionando uma tarde muito agradável.

28 janeiro 2012

Ao crepúsculo

No dia 29 de outubro fiz mais uma pequena caminhada nos arredores de Vila Flor.
Comprei uma pequena máquina fotográfica, Sony, que pesa apenas 100g e que desejava experimentar "no terreno". Não é nada de especial, apenas uma pequena compacta mais pequena que um maço de cigarros. A Panasonic que tenho usado nas caminhadas ainda dá conta do recado, mas um gesto irrefletido deixou alguns riscos na objetiva. É muitas fotografias esse defeito é visível.
Já era bastante tarde, por isso escolhi um percurso muito pequeno que basicamente vai de Vila Flor ao Barracão, sobre ao alto do Facho, partindo da zona industrial e volta a Vila Flor pela rua do Carriço. Apesar do percurso ser curto, mais de metade foi feito já com noite cerrada.
Os momentos mais interessantes aconteceram quase à saída da vila, Há um medronheiro junto das vinhas, que na altura tinha alguns frutos maduros. A luz doce do por do sol proporcionou algumas fotografias interessantes. Foi um bom momento para por a máquina fotográfica à prova (e para ter as primeiras desilusões). Quando se procura algo muito económico (pouco mais de 100€) não se pode esperar ter tudo o que se precisa no ato de fotografar. As primeiras dificuldades começaram com a focagem, porque a máquina não têm nenhum programa para macrofotografia. Por mais que tentasse focava sempre a paisagem de fundo e nunca os frutos maduros. Com alguma insistência, consegui enganar o sistema. A máquina não permite nenhum controlo manual sobre a exposição, essencial a quem gosta de ser criativo e personalizar o resultado. Assim, nada mais é possível do que tirar partido do que a máquina está programada para fazer, usando alguns truques para tentar dar-lhes a volta.
O momento foi entusiasmante e o sol acabou por se esconder, ainda eu não tinha chegado ao Barracão! O melhor era voltar para trás, pela estrada, mas um aventureiro seguiria para a serra em plena noite e foi o que eu fiz.
O caminho que segui é-me bastante familiar, por isso o risco era diminuto. De todas as formas, causa alguns calafrios, andar num lugar tão agreste sem qualquer iluminação. Imaginei um encontro com javalis, porque passei numa zona onde vão todas as noites, mas, felizmente não vi nenhum. Não me ia sentir muito à vontade.
Experimentei algumas fotografias com flash. Nada feito. A luz apenas deve ter servido par enviar algum sinal à distância, desde o alto da serra. Desisti de apreciar a paisagem e tentei regressar o mais rapidamente possível a casa.
Percurso: 6,15 km
Diferenças de Altitudes 176 Metros(Altitude desde 569 Metros para 745 Metros)
Subida acumulada 181 Metros
Descida acumulada 181 Metros

27 janeiro 2012

Capela de Sto António (Ribeirinha)

Pormenor da sineira da capela de Santo António, na Ribeirinha.
Fotografias da capela: interior - interior - exterior - exterior.
Tudo sobre a Ribeirinha.

26 janeiro 2012

Caprichos da natureza

Rochedo, perto da aldeia do Vieiro, fotografado na caminhada realizada à Ribeirinha em Outubro de 2011.

24 janeiro 2012

Peregrinações - Capela de São Gregório (Valbom)

No mês de Outubro aconteceu mais uma longa caminhada, que teve como destino a aldeia de Valbom, num dos pontos do concelho mais afastados de Vila Flor, no sopé da serra de Bornes. Tratou-se de um verdadeiro desafio. Este trajeto já tinha sido tentado uma vez, mas não foi concluído, terminando a viagem em Benlhevai, por falta de tempo.
A partida aconteceu bem cedo, e valeu a pena. Quando o sol surgiu lá para os lados do Felgar (Torre de Moncorvo) o céu cobrou-se de um rosa muito invulgar. Nunca tinha visto o céu com semelhante tonalidade.
A avenida andava em obras e o IC5 ainda não tinha sido concluída. Decidimos ir pela estrada até Roios, com a intenção de variarmos o percurso, mas também o de observarmos as obras de mais perto.
As obras da estrada podem ser vistas de várias maneiras; com admiração pela obra realizada; com expectativa com o hipotético desenvolvimento que vão trazer ou pela destruição que causam e o seu impacto na natureza. A caminho de Roios impressionou-me mais a destruição.
A passagem por Roios, Vale Frechoso e Benlhevai foi o mais rápida possível. Todos os caminhos já foram anteriormente percorridos noutras "Peregrinações". O tempo estava ameno e havia pessoas a trabalharem nos campos. Estávamos na altura das castanhas, mas a o ano não foi benéfico e as poucas que havia eram de muito má qualidade. Há castanheiros espalhados por quase todas as aldeias das zonas mais frias do concelho, mas creio que deve ser ao longo desta linha que seguimos que há mais, principalmente em Roios e Benlhevai.
Já há algumas pessoas que estão habituadas à nossa passagem. Quando as encontramos não podemos evitar alguns momentos de conversa, mas sempre a olhar para o relógio, para não se desperdiçar muito tempo.
Depois de passarmos sobre o IP2 (entre Benlhevai e Trindade) entrámos num percurso realmente novo. Os últimos quilómetros até Valbom nunca foram percorridos a pé e foi mesmo uma novidade fazê-los. A paisagem para o vale da Vilariça é sempre digna de se admirar. Neste pouco, quase no início do vale, avista-se a barragem da Burga e a freguesia de Vilares da Vilariça, já pertencente a Alfândega da Fé.
Valbom é uma aldeia bastante pequena pertencente à freguesia da Trindade. Já a visitei várias vezes anteriormente, mas tem a desvantagem de estar num extremo e por isso não é local de passagem para outras caminhadas.
Já chegámos a Valbom ao início da tarde. Mesmo com a preocupação de não perder tempo, a distância é muita, e o percurso não é propriamente plano.
Conseguimos que alguém nos mostrasse a pequena capela de S. Gregório. Apesar de pequena está muito bem arranjada e é bastante bonita. O último restauro aconteceu em 2008. A simplicidade das linhas da capela são compensadas pela beleza do seu interior e pelas imagens interessantes que apresenta. Todas as imagens estão restauradas. A mais curiosa, e já falei dela em visitas anteriores é a de Nossa Senhora do Parto.
No passado existia grande devoção a esta Nossa Senhora, por parte das grávidas em final de gestação e por parte dos familiares das mesmas. Faziam-se promessas para que no momento do parto tudo corresse bem e, pouco tempo depois do nascimento a promessa tinha que ser paga. Por vezes eram os familiares que se dirigiam à pequena capela para pagamento da promessa. Com a diminuição dos partos e também com a sua realização em unidades hospitalares este ritual foi-se perdendo.
Curioso é também o facto de existir na sacristia uma imagem de Santa Filomena. A iconografia não deixa lugar para dúvidas; tem uma âncora, uma palma e algumas flechas. Esta imagem não está restaurada, como as restantes e ocupa um lugar afastado do centro de culto. Tal facto pode dever-se às dúvidas que se levantaram há mais de cem anos sobre a sua santidade. Tendo vivido supostamente no séc. III, só no séc. XVIII é que a igreja lhe começou a prestar culto, em Itália. Apesar de o culto a Santa Filomena se ter difundido ao longo de muitos anos, a sua santidade, e mesmo a sua existência, são questionadas.
Terminada a visita à capela, pouco mais havia a fazer. Enquanto esperámos pelo transporte para casa ainda fizemos uma visita à fonte de Almoinha, que é um local interessante da aldeia, quer e pela fonte em si, quer pelo espaço circundante. É um local muito agradável, principalmente no verão.
Percurso:
Dintância: 18,37 km
Diferenças de Altitudes: 301 Metros (Altitude desde 380 Metros para 681 Metros )
Subida acumulada: 522 Metros
Descida acumulada: 698 Metros

A capela de São Gregório foi Freguesia Mistério 22, em 2008.

23 janeiro 2012

e de repente é noite (IV)

Por onde caminhamos é o dia.
Na cabeça, a fala das coisas,
sem sabermos dos fios que a ligam
à sonolência da alma.
Rasga-se um postigo no infinito, e, de lá, a paz da tarde
contempla-nos no dócil ensombro
do esquecimento das avencas
no fundo da mina.
Adestramo-nos no manual das nuvens,
para uma hipótese de salvação.
E molda-se-nos à concha das mãos
tudo o que transbordou da corola das horas
por excesso de luz ou de sentido.

Poemas de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia: Vila Flor (21-01-2012)

20 janeiro 2012

Perdidos

Esta fotografia foi tirada no sábado passado, perto de Benlhevai, no decurso de uma caminhada que nos levou a Santa Comba da Vilariça. Chamei-lhe perdidos porque as caminhas pelo meio do nevoeiro têm sido bastante conturbadas, havendo momento de pura desorientação. Mas, neste caso, valeu a pena. O cenário de alguns dos locais por onde passámos valeu o esforço.

18 janeiro 2012

Freguesia Mistério n.55

A Freguesia Mistério n.º 54 aconteceu durante o mês de dezembro. O enigma estava representado pela imagem parcial de uma aldeia, questionando de que freguesia se tratava. Acredito que não seja tarefa fácil identificar os locais com uma simples fotografia, ainda por cima em tamanho minúsculo. Além de que as possibilidades de fotografar uma aldeia são infindáveis. A aldeia representada era Freixiel.
A localização geográfica de Freixiel, rodeada por montanhas de altitude considerável, fazem com que seja possível ver a aldeia dos mais diversos ângulos, qual deles o mais bonito. Mas esta possibilidade não ocorre só ao longe, havendo "miradouros" perto da aldeia, ou mesmo dentro dela. São o caso do promontório onde se eleva a Forca e o Santuário de Nossa Senhora dos Remédios. A fotografia em questão foi tirada ainda de mais perto, perto da igreja matriz, junto ao Lar Santa Maria Madalena. As casas que se vêm pertencem à Rua Queimada que se prolonga em direção ao vale da Cabreira. Formação rochosa sempre atenta e dominante é o Pé-de-cabrito, já em território de Ansiães, mas que se destaca no perfil do horizonte.
Responderam à pergunta 10 pessoas. Os seus palpites ficaram distribuídos desta forma:
Assares (1) 10%
Freixiel (4) 40%
Roios (1) 10%
Sampaio (1) 10%
Valtorno (1) 10%
Vilas Boas (2) 20%
Embora a tendência tenha seguido na direção certa, não ultrapassou os 40%! Há que continuar a estar atento ao blogue, para ir conhecendo aos poucos os povoados que integram o concelho de Vila Flor.
O desafio que se segue, em janeiro de 2012, representa mais uma aldeia. Desta vez não é sede de freguesia. É uma vista que muitos dos habitantes do concelho já viram, falta saber é se estavam atentos o suficiente para se lembrarem dela.
A freguesia pertence a aldeia mostrada na fotografia?
Participem, indicando o vosso palpite, até ao fim do mês de janeiro, na margem direita do blogue.

17 janeiro 2012

A caminho do Facho

Numa das caminhadas de janeiro, após deixar o nevoeiro que pairava sobre a vila, admirei os raios de sol que penetravam por entre os pinheiros e sobreiros da encosta. No alto do Facho, próximo de Vila Flor, o sol era intenso, mas o ar estava frio.

11 janeiro 2012

Vira da azeitona


A azeitona cai no tolde varejada
Vai encher o galeão
Ela é preta redondinha
Dá saltinhos pelo chão

Vai de roda vai de roda
Cada qual com o seu amor
Não há vira mais bonito
Que o vira de Vila Flor

Haja azeite com fartura
Nós pedimos ao Senhor
Para nunca ser esquecido
O azeite de Vila Flor

Vai de roda vai de roda
Cada qual com o seu amor
Não há vira mais bonito
Que o vira de Vila Flor

Nesta feira de sabores
Mantém-se a tradição
Mostrando os bons produtos
Desta nossa região

Vai de roda vai de roda
Cada qual com o seu amor
Não há vira mais bonito
Que o vira de Vila Flor

Esta canção é cantada e dançada pelo Grupo de Danças e Cantares de Vila Flor (esta versão foi adaptada para ser cantada na TerraFlor, feira de Produtos e Sabores).
A fotografias  foi tirada em Samões.

10 janeiro 2012

Peregrinações - Capela de S. Luís (Folgares)

No dia 15 de outubro o desafio foi uma caminhada entre Vila Flor e Folgares, em mais uma Peregrinação, tendo como destino a capela de S. Luís, na pequena aldeia de Folgares. Este trajeto já tinha sido feito numa caminhada que realizei em novembro de 2008, quase na mesma altura do ano. Nessa altura fiquei entusiasmado com alguns trilhos que encontrei, escavados na rocha granítica. Voltar ao vale da Cabreira à procura dos mesmos trilhos foi quase como procurar uma agulha num palheiro, mas valia a pena tentar.
As dificuldades deste trajeto são várias. Uma, bastante preocupante ter a ver com os cães dos pastores, que, certamente, estariam a guardar as cortes existentes entre Samões e Freixiel. Outra dificuldade é encontrar o caminho certo no vale da Cabreira. É uma zona agreste como poucas no concelho e sem todos os caminhos têm seguimento. A terceira dificuldade é o traçado da encosta do vale com uma inclinação tão acentuada que causa dores só de pensar em subi-la. Para piorar as coisas, a maior dificuldade está no final do percurso, quando o cansaço já é muito. Estas dificuldades não são motivo para desânimo, antes pelo contrário. As dificuldades foram um incentivo a começar a caminhada bastante cedo, ainda o sol não tinha surgido no horizonte.
O dia estava quente e a progressão foi rápida. Depois de termos deixado Samões para trás, o trajeto até Freixiel já foi percorrido muitas vezes, não havendo dificuldades de orientação. Os cães pastores lá estavam, onde eram esperados, mas pareciam meios adormecidos àquela hora do dia. Felizmente para nós...
Em Freixiel ainda tivemos tempo para subir à Forca, visitar a igreja matriz, a fonte romana e o Pelourinho. Casa um destes elementos seria motivo para se gastar algum tempo na sua admiração, mas não havia tempo a perder.
Mesmo não sendo o trajeto mais lógico, subimos ao santuário de Nossa Senhora do Rosário. Este foi o destino da nossa Peregrinação de 17 de outubro de 2010, mas também é um ótimo miradouro para a aldeia e um bom ponto de partida para entrar no vale. No recinto ainda havia lixo. Terminada a festa de verão parece que ninguém se preocupa em limpar o que ficou do fogo da artifício, mas, este espetáculo não é agradável.
Apanhado o caminho em direção ao coração do vale surpreenderam-nos na beira do caminho algumas inscrições nas pedras do muro. Não foi a primeira vez que por ali passei, mas nunca tinha reparado nessas inscrições. São várias pedras gravadas, onde se vê claramente várias cruzes e o ano de 1891. Serão marcas do local do falecimento de alguém? É possível.
O caminho seguido não era muito íngreme. O mais incomodativo era o pó, de alguns centímetros de espessura, mais parecendo farinha! Mesmo sem subir muito, o cansaço não demorou em chegar. Encontrámos uma pessoas que regressava a casa e que nos deu algumas orientações sobre o percurso a seguir. Afastámo-nos do percurso que tinha feito em 2008 e começámos a ter algumas dúvidas se estávamos a caminhar na direção certa. A subida começou a tornar-se mais difícil obrigando a paragens frequentes. O coração parecia querer saltar pela boca e começámos a racionar a água disponível. Por várias vezes hesitámos e mudámos de direção. Sabíamos que Folgares é no alto da encosta e só havia uma direção possível, a que subia.
Pelo caminho fomos encontrado uma série de rochas curiosas. Aliás o vale da Cabreira está repleto de obras de arte naturais juntamente uma grande quantidade de fornos de secar figos.
Nunca saímos do caminho. Em locais como este não se pode andar ao acaso. E foi na berma do caminho, quase sem querer que me pareceu ver o começo de um dos tais trilhos que tanto queria encontrar. De um dos lados do caminho o trilho descia em direção ao vale, do outro subia pela encosta, contornando as rochas, em direção, supostamente, a Folgares. O entusiasmo foi muito e decidimos seguir o trilho. Escavado no granito por séculos de rudes botas e pelas ferraduras dos cascos dos animais, serpentava encosta acima, apresentando nalguns pontos mais de 20 cm de profundidade!
Subindo o trilho encontrámos um idoso. Regressava no seu lento passo à aldeia e fizemos-lhe companhia.
A hora já ia adiantada e não havia tempo sequer para um curto passeio pela aldeia. Enquanto procurávamos por alguém que nos facultasse a entrada na pequena capela de S. Luís, encontrámos uma senhora a fazer pão.
Falámos com 4 ou 5 pessoas, a quem colocámos algumas perguntas sobre a capela e as lendas a ela ligadas. A capela fica no centro da aldeia. Os documentos dizem que outrora foi capela de S. Gens, pelo menos até ao séc. XIX. Cristiano Morais na sua monografia sobre a Freixiel publicada em 1995, refere-se a esta capela em diversos pontos. Em 1744 a capela estava num estado deplorável, não sendo possível aí celebrar. Foram indicados dois moradores para que no prazo de dois meses a mandassem caiar e rebocar e procedessem às necessárias obras para aí poderem ser administrados os sacramentos. Já a quando da visita do comendador Frei Dom José Telles, em 1766, tinha um "retábulo dourado cuja pintura e douradura se acham renovados". As imagens destacadas eram a de S. Gens, padroeiro, e a de Santa Bárbara. A mudança para a devoção de S. Luís deve ter ocorrido nos finais do séc. XIX ou inícios do Séc. XX.
Na mesma obra ficamos a conhecer a lenda da Cerejeira de S. Gens. Junto da capela havia uma cerejeira que tinha dois ramos a caírem sobre a capela. Produzia frutos em junho à exceção dos dois ramos, que apresentavam frutos maduros exatamente dia 25 de Agosto, no dia de S. Gens! Quem comesse as cerejas dos ditos ramos antes dessa data era atormentado por fortes maleitas, mas quem as comesse depois ficava curado de qualquer mal que padecesse.
 As pessoas da aldeia conhecem vagamente esta crença, narrada em "Memórias de Ansiães", mas não têm memória de nenhuma cerejeira. No adro da pequena capela não vi nenhuma árvore de fruto, mas havia junto da porta um tomateiro que ostentava dois enormes tomates!
A capela foi recentemente restaurada. O interior está impecável, em todos os aspetos e o exterior tem as pedras de granito lavadas, depois de estarem durante anos caiadas de branco.
Depois da visita à capela restabelecemos as forças junto à fonte, próxima dali. Regressámos a Vila Flor de carro, pela estreita estrada que liga a sede de freguesia, Freixiel, a esta antiga quinta, Folgares.
 Foi uma caminhada memorável, mas, percorrer o vale da Cabreira no sentido contrário ao da ribeira com o mesmo nome, talvez subir ao Pé-de-cabrito é um desafio que ainda ficará para outra altura.
Diferenças de Altitudes

Percurso:16,12 km
Diferenças de Altitudes: 398 Meter (Altitude desde 331 Meter para 729 Meter)
Subida acumulada: 546 Meter
Descida acumulada: 410 Meter

09 janeiro 2012

Peregrinações - Capela de Sto António (Ribeirinha)

Quando em Setembro de 2011 fiz o balanço do 5.ºano À Descoberta do Concelho de Vila Flor, deixei no ar a promessa de completar a volta por todas as aldeias do concelho, com pelo menos uma Peregrinação.
Depois disso não fui dando muitas notícias, mas, na verdade, as caminhadas nunca pararam. Certo é que houve uma diminuição na sua frequência, quer motivada pelo facto de aos Domingos ser dia de caça, o que causa alguns constrangimentos, quer pelas condições atmosféricas, mesmo não havendo muita chuva, o nevoeiro é um forte condicionante, limitando a orientação e mesmo as condições desejáveis a quem quer fazer fotografias. Mas, durante os meses de novembro e dezembro realizei algumas caminhadas que, mesmo não sendo muito longas, proporcionaram momentos fotográficos assinaláveis que terei muito gosto em partilhar.
Foi já no longínquo dia 1.º Outubro que fiz, juntamente com o meu colega de Peregrinações, uma caminhada que nos levou de Vila Flor à Ribeirinha, na freguesia de Vilas Boas. Seguimos um percurso em parte já mostrado, em parte novo, mas que há muito que desejava conhecer. Nas vezes em que me desloquei entre Vilas Boas e o Vieiro, ou mesmo na linha do Tua, entre Ribeirinha e Abreiro, ficava por conhecer uma área bastante agreste, nas encostas do rio Tua. Confesso que tinha bastante vontade de percorrer essas paragens a pé.
Na primeira metade do percurso seguimos mais ou menos o trajeto da Peregrinação do dia 24 de Setembro, à capela de S. Domingos, no Vieiro. O dia estava muito quente a ainda se fazia a vindima das últimas uvas.
O nosso destino era a capela de Stº. António, na Ribeirinha, onde chegámos perto do meio dia. Embora o percurso seja na sua maioria descendente, passámos junto à pedreira de Freixiel ( ou de Vilas Boas), ponto mais alto de onde se vislumbram terras de além-Tua. Também podem ser encontrados muitos antigos fornos de figos.
Tal como previa, as aldeias do Vieiro e da Ribeirinha, não estão tão afastadas entre si, como pode parecer. O caminho existe, é muito antigo, mas cada vez é menos percorrido. À exceção de alguns veículos todo-o-terreno, já ninguém se aventura por estas paragens com animais de carga e os carros de tração animal não são mais de que uma imagem na memória de muitos de nós.
Há entrada do povoado há um nicho recente, penso que seja dedicado a Nossa Senhora dos Bons Caminhos. Um pouco mais abaixo fica um dos espaços mais conhecidos do "pobo", o café Luke Luke, onde se podem comer alguns petiscos.
A capela de Stº António, segundo consta uma ermida do Séc. XVII, já foi por mim visitada há alguns anos atrás. O seu interior é simples e agora até o Stº António abandonou o seu lugar cimeiro, após uma queda que danificou bastante a imagem. Embora a Ribeirinha disponha de outro local de culto, uma capela nova também dedicada a Stº António, este espaço não está esquecido, antes pelo contrário. Todos os espaços possíveis estavam cheios de flores naturais (na sua maior parte sécias).
Embora o cansaço fosse bastante e o tempo escasso, houve ainda tempo para fazer um curto percurso pelo povoado. De salientar a existência de uma fonte de mergulho, arcada, que me passou despercebida em visitas anteriores. O espaço onde se encontra foi arranjado, mas a fonte apresentava-se cheia de ervas e suja, com ar de abandono. Acredito que pouca gente passe pelo local para admirar este património, mas espero encontra-lo mais apresentável da próxima vez que lá voltar.
A nossa viagem terminou junto ao apeadeiro da Ribeirinha, da Linha do Tua. Não sequer houve tempo para visitar o sr. Abílio, grande conversador e último guardião desta linha centenária que todos os autarcas anseiam por afogar.
O regresso a Vila Flor foi feito de carro. Foi mais uma Peregrinação a um dos locais mais remotos do concelho, onde poucos vão só pelo prazer de descobrir. Mas vale a pena, porque aqui até parece que o tempo corre mais devagar!

Percurso:
Diferenças de Altitudes 422 Meter (Altitude desde 194 Meter para 616 Meter)
Subida acumulada 112 Meter
Descida acumulada 486 Meter