09 julho 2008

Capela de Santa Maria Madalena - Macedinho


Há muito tempo que não escrevo sobre Macedinho! Por não escrever, não quer dizer que dele me tenha esquecido, apesar de me parecer que a ligação entre Macedinho e Vila Flor ser muito difusa, quer devido à dimensão, quer ao afastamento. Onde é que as crianças de Macedinho frequentam a escola? Fica a pergunta.
A última vez que estive em Macedinho foi a 20 de Maio de 2008. Colhida pelo calor da tarde, a aldeia parecia encostar-se ao ribeiro, procurando a frescura das suas margens. A exuberância da Primavera começava, nas pequenas flores, prolongava-se por carrascos e sobreiros subindo depois aos céus, em nuvens brancas, como cordeiros de alva lã saltando e brincando em perseguições de puro gozo.
Reinava uma paz infindável, no centro da aldeia. O sol reflectia-se nas paredes da capela recentemente restaurada, fazendo-me semicerrar os olhos. O calor era demasiado, mesmo para Primavera.

Procurei refúgio do sol escaldante, no interior da capela barroca. Respirava-se um ambiente agradável. Nem colunas de granito, nem abóbadas gigantes; tudo simples tudo pequeno… mas sentia-se o mesmo silêncio, a frescura das grandes catedrais.
Estava tudo impecável. Até os arranjos com flores naturais pareciam prolongamentos das vestes das imagens. Por detrás do sacrário destaca-se, na parece branca, um altar em talha dourada, encimado por uma conjunto com motivos vegetalistas, duas aves estilizadas e dois anjos, segurando um coração, também dourado. A riqueza do conjunto destoa da simplicidade do resto da capela, sugerindo, uma grande antiguidade ou uma outra origem, que não esta capela. Trata-se possivelmente de talha do séc. XVIII.
Nesta capela adora-se Santa Maria Madalena, figura com tanta importância, que tem despertado o interesse de pintores, escritores e romancistas. Esteve presente na crucificação de Cristo, sendo apontada pela literatura mais recente como uma tentação de Cristo, apóstola ou Sua esposa.

As imagens que mais se destacam, é o Sagrado Coração de Jesus e uma Nossa Senhora, segurando o Menino. Esta última parece ser bastante antiga.
Também, São Gabriel, com a sua implacável espada, merece um nicho só para si.
Depois de uns instantes de silêncio e paz, saí para a rua, para o calor, a agitação, a velocidade que nos escraviza tanto como o pecado. Deixei Macedinho adormecido, tal qual o encontrei, apenas beneficiei, por instantes, da sua intimidade.

6 comentários:

Anónimo disse...

Aníbal
Nunca fui a Macedinho, mas gostei tanto da sua reportagem e fotografias que me parece que fiquei a conhecer a aldeia, pelo menos o que ela tem de bonito: a capela de Santa Maria Madalena!!!
Continue a mostrar-nos o que não conhecemos, ou a recordar-nos o que já é do nosso conhecimento e
nos passa despercebido...
Cumprimentos
Anita

Esmeralda disse...

Olá
...que lindo o segundo parágrafo....
Obrigada e Parabéns!!!
Fico arreliada por não estar tão atenta mas; mas; o tempo voa, voa, voa...
Abraço.
Aproveito para mandar muitos beijinhos a todos os que por aqui passam e que de uma forma ou de outra passámos a gostar mais uns dos outros. É que... estou quase de férias. Para quem tiver a sorte que eu tenho, BOAS FÉRIAS; para quem não a tiver, a ESPERANÇA DE UM AMANHÃ MELHOR, É A ÚLTIMA A MORRER...
Esmeralda

Anónimo disse...

Esmeralda
Obrigada pelas palavras simpáticas!!!
Também eu já vivi a correr, porém, agora sobra-me o tempo para fazer o que gosto, e ainda bem que existe um "Aníbal" sempre pronto a mostrar-nos o que de belo há na nossa terra.
Nem ele imagina o bem que me faz com os seus magníficos trabalhos!!!...
Um abraço
Anita

Vale Frechoso disse...

Olá Prof. Anibal e restantes bloguistas...

Macedinho é uma pequena aldeia, "Anexa" da aldeia da Trindade, mas muito bonita e com uma beleza natural única...

Respondendo á pergunta do Prof. as crianças vão estudar para a Escola de Sta. Comba da Vilariça.
Assim como as crianças das aldeias de Benlhevai, Trindade, Valbom e Vale Frechoso, Assares, Lodões e Sampaio.
Em Vale Frechoso ainda esta aberto o Infântario, tal como em Benlhevai. As crianças mais pequeninas da aldeia de Valbom e Macedinho vão para o infântario de Benlhevai.

As crianças são transportadas das aldeias para Santa Comba em pequenos autocarros, denominados de Tranportes especiais. O Vale da Vilariça é realizado pela empresa "Transportes Seixo Manhoses" e as restantes aldeias são transportados pela "camionagem Santos".

Futuramente, todas as crianças do 1º cíclo irão para Vila Flor, pois esta a ser realizado um proj, q ainda esta na fase de arquitectura, para o edificio do antigo ciclo (próximo da "Casa Escalhão")em Vila Flor.

Todas as escolas primárias que ainda estao abertas (Santa Comba, Vilas Boas, Seixo Manhoses, Samões e escola nº1 e 2 de Vila Flor)infelizmente irão fechar.

Bom espero que tenha ajudado.

Um Abraço e até breve

Miguel Nicolau
Vale Frechoso

Anónimo disse...

Mais uma vez boa tarde S.ANIBAL.
Como o mundo é pequeno!!Atravez do seu màgnifico trabalho comsigo ler
comentàrios de pessoas conhçidas como por ezemplo a SENHORA D.ANITA.Sou Guilherme Sousa rezidente em FRANCA. irmao
do seu cunhado Armando Sousa que vive no NABO terra da minha cunhada
M.ZE.Com isto quero agradeçer imenso ao S.ANIBAL por tudo que faz
para mim aqui tao longe em França
poder vizitar VILA FLOR e aldeias
é um sonho.Sem mais um abraço amigo
GUILHERME.SOUSA.EM SENS.FRANCA.

Aroveito para saudar a SENHORA D.
ANITA.

Anónimo disse...

Olá Guilherme:
Como o mundo é pequeno!!! Realmente sou a Anita, cunhada do seu irmão Armando. Ainda me lembro quando a minha filha lhe chamava "cabeludo" porque trazia o cabelo comprido, como era moda, nesse tempo... Pelo que vejo, continua em França. Gostei muito de saber de si...Já uma vez, ao ler um comentário a um trabalho do Prof. Aníbal me lembrei de si, mas pensei que fosse algum filho seu, com o mesmo nome... O Professor tem o condão de juntar as pessoas, ainda que elas estejam separadas pela distância.
Cumprimentos para si e toda a família
Anita