24 Junho 2014

As lendas de Orelhão - Cabral Adão

"Antes do jantar, eu, o Padre Francisco Reis e o Dr. Armando Guedes (que três!) contávamos coisas, estendidos pelas escadas do patim deste ilustre médico dos Passos.
O tempo estava incerto; os desejos de todo um clamor rural pareciam ter eco nos arraiais de São Pedro, pois grossos carriIhões de nuvens baças escorriam de Noroeste, esgaçando-se nos picos de Padrela e pelos montes longínquos.
Nós estávamos à vontade, para ali recostados, fruindo uns momentos felizes da mais íntima camaradagem, eu talvez um pouco mais observador dos pequenos nadas da aldeia, que para os outros dois eram banalidades, apagadas no contacto permanente.
Era o filhito do doutor - o galo da família, como o classificou um criado, em vista de ter aparecido depois de sete irmãs, todas vivinhas e graciosas, pela bondade de Deus - que subia e descia as grades da furgoneta, parada no curral, em riscos de cair e desnocar algum osso, folestrias a que o pai provia de vez em quando, com uma das tiradas do seu glossário de transmontano rijo e expressivo: - «Vai aço!!!». Era um cachorro a entrar de roldão pelo portal adentro e a afugentar as pitas, que se esgueiravam espavoridas para os recantos das dependências, cacarejando os alarmes do costume. Era uma criadita que ía à loja buscar cebolas ou batatas ou azeitonas, morena, vivaça, jeitosa. Era o chiar dos carros de bois pelas canelhas da aldeia. e as vozes dos lavradores a acompanhar as aguilhoadas nos quartos dos animais «Ei!».

Mas a conversa animava e eu, acordado desta contemplação bucólica, espevitava-a como podia.
O Padre Francisco (Francisco Abbas, à latina) falou da sua obra. Sente-se ali um sacerdote. Ali, é no Franco, a dez quilómetros a montante de Passos, onde o forasteiro pode ver o renascimento do Samaritano.
Não estou para mirar muitos outros eclesiásticos por lentes de miopia, o que teria de acontecer se lhes quisesse conhecer as «obras», numa sabatina com este. Basta-me bem examinar esta, no seu valor absoluto, para me sentir feliz e encantado.
Há, então, no Franco, o Lar da Paróquia erigido pelo povo, sim, mas com o sopro divino que do Padre Francisco dimana. Chegou, viu e venceu a batalha da freguesia que o respectivo Prelado pôs à sua guarda. Não há ali doirados nem espaventos de culto. Há caridade, há miolo social que ele foi buscar aos jpães do Evangelho. O Padre Américo se lesse isto havia de sorrir, com certeza! 
No lar da Paróquia doutrina-se, educa-se e dispensam-se socorros aos doentes. O homem-padre construiu um belo edifício de raiz, e esforça-se para o manter de pé.
Note-se que não o faz para subir a cónego, nem para granjear importância, nem para ser valido de importantes. Fê-lo porque tem dotes sacros e quer franqueá-los aos seus irmãos em Cristo. Fá-lo porque assim entende o seu dever. Aí está: simples e claro!
A mim encanta-me duplamente este rapaz, porque foi nascido na mesma terra que me viu nascer. E passo adiante, pois o Sol a pino deslumbra muito...
O jantar estava prestes a ser servido, a avaliar pelo movimento das criadinhas com avental gomado, de laço atrás. Descrever aquele frondoso ágape, especialmente preparado para honrar o colega dos bancos da Faculdade, que o Dr. Armando Guedes não via há talvez vinte anos, seria fastidioso e atentatório do apetite de quem me ler. Diga-se apenas que na véspera, o bondoso médico e lavrador se metera na furgoneta e fora ao Porto fazer as compras para o jantar especial. Trezentos e quarenta quilómetros, ida e volta! Somos assim, os transmontanos: montanhas de dedicação.
Aproveitando uns restos de tempo, já à tardinha, com o manto de nuvens a encapelar e a lançar um pasmo de sombras nos relevas montanhosos em derredor, entretive o cavaco com a Lenda dos Corações, respeitante à região em que estávamos, e que mal delineei com citações imprecisas, mas certa na essência da tradição.
Quem se delicia a subir ao Cabeça de Nossa Senhora da Assunção, de Vilas Boas e Vila Flor, voltando-se a Oeste, vê, entre os mamelões da serra fronteira, do Faro, na última faixa do horizonte, uma vertente de mato escuro, com dois corações a par, admiravelmente desenhados. Chamam-lhe a Serra dos Corações e a lenda explica a curiosidade desta forma:

Antigamente (tempo dos godos? tempo dos árabes?) a terra mais importante da região era Orelhão, que hoje se vê logo abaixo e se chama Lamas de Orelhão. Orelhão tinha Rei e o Rei uma filha que era a personificação duma gota de orvalho caída da mais bela bonina criada nas alfombras de por ali. Tinha-a, o pai, reservado para um alto enlace, com casa nobre doutro reino peninsular. Mas a aspiração da princesinha era outra, residia na esbelteza dum simples pajem, que a requestava às escondidas, por noites de luar. 

Ora o Rei, sabendo-o, quis cortar pela raiz essa paixão impetuosa que requeimava os peitos dos dois namorados, pensando exterminar o pajem de qualquer modo. Mas uma aia fidelíssima avisou a princesinha do intento do seu Real Senhor. Então, os ardentes apaixonados combinaram a fuga e internaram-se na floresta da serra, nessa altura muito espessa e muito poética.
Dado o alarme no palácio, ordenou o Rei aos seus homens de frechas e alabardas, que batessem montes e vales até lhe trazerem os foragidos, vivos ou mortos.
Tudo correram os homens de armas, mas apenas puderam apurar que a princesa e o pajem estavam refugiados na floresta do monte, onde seria impossível encontrá-los, dado o labirinto de ramos e frondes que a mata espessa ocultava no seio.
O Rei não hesitou na solução máxima e infalível: « - Pois deitai fogo à floresta e não retireis enquanto virdes árvores de pé!».
Foi um incêndio pavoroso, que durou semanas. Os dois amantes lá ficaram, desfeitos em cinza. Mas os seus corações recebeu-os a terra, e estão gravados com notável perfeição, para todo o sempre, na serra escalvada e triste.
O «Jornal de Notícias», pela pena de não sei que articulista, narrou esta lenda há muitos anos, que me lembra muito bem de a ter lido.
Enquanto as sopas arrefeciam e espargiam pelo ar um aroma de apetites, o Padre Francisco aproveitou os últimos instantes daquela cavaqueira, nas escadas do patim do Dr. Guedes, para me contar outra lenda, que eu reproduzo mais ou menos fielmente. 

Havia uma menina, que costumava pastorear ovelhas na companhia dum seu irmão, de nome Leonardo. Comba se chamava ela e era bela como uma alvorada de Maio, esbelta como uma andorinha, boa como um cristão antigo.
Um dia, o Rei de Orelhão, cavalgando pelo monte, encontrou a pastora; apeou-se da montada, assentou-se numa pedra e pediu-lhe que o catasse. O monarca reclinou a cabeça no seio da menina e sentiu uma tal blandícia que adormeceu, enquanto ela lhe ia separando os cabelos para a operação requerida.
Poucos momentos passados, a inocente pastorinha teve um palpite nebuloso e, desviando a cabeça do cavaleiro para o lado, desembaraçou-se dele e deitou a fugir.
O Rei tivera um sonho de volúpia, em que a figurinha da pequena serrana era a vítima do impulso escandaloso que lhe alvoroçava o sangue. Então, acordou. Quando se viu só, rangeu os dentes, montou a cavalo e partiu à desfilada, em busca da menina. Prestes a alcançá-la, eis que um grande fraguedo a que Comba se encostara, se fendeu para lhe dar passagem. O cavalo, num galão, ia avançar pela abertura, mas o rochedo fechou-se e as patas do cavalo real sulcaram a pedra e lá estão ainda as marcas das ferraduras, patentes a quem as quiser ver.
O Rei de Orelhão, furioso, viu o irmão de Comba ao longe e galopou como uma flecha, para o alcançar. Usando a lança, num rompante dementado, golpeou-lhe o ventre, pondo-lhe as tripas ao sol. Leonardo jazia como morto, sobre umas carrasqueiras secas. Reunindo as forças que lhe restavam, arrastou-se até um poço que havia próximo e lavou as vísceras na água pura que dele brotava. Por favor da Providência Divina, operou-se a cura sobrenatural e Leonardo pôde levantar-se e correr em socorro da irmã.
Não desanimando, o crapuloso Rei, dos seus intentos, voltou mais tarde ao monte, acompanhado de alguns soldados, para o ajudarem na batida. Mal a pastora o divisou ao longe, deixou o rebanho e correu; correu espavorida, implorando a protecção divina. O Rei, lançando-se-lhe na peugada, instigou os soldados a alcançá-la, gritando-lhes do alto do ginete: «Agarrai-a! Agarrai-a!» Mas a pastorinha tinha asas nos pés e não mais foi apanhada.

Termina a lenda dizendo que Comba morreu em Coimbra, sendo mais tarde beatificada - Santa Comba, bem como seu irmão - São Leonardo.
Ainda hoje se pode ver o poço em que São Leonardo lavou as vísceras esventradas. Ao monte, chama-se de Santa Comba: e a colina em que os soldados perseguiram a pastora é conhecida por - A GARRAIA, topónimo derivado do grito real.
A noite viera chegando, em pés de lã, e nós subimos para a sala, onde iniciámos a refrega, que havia de ficar memorável na história da hospitalidade transmontana."

Texto retirado livro O Homem da Terra, da autoria de Luís Cabral Adão, publicado em 1986.

Cabral Adão - Síntese Biográfica

12 Junho 2014

e de repente é noite (XXXV)

Segredos de obscuros cristais
que as traves dos anos preservaram.
Voracidade das ondas nos bolsos
para, às braçadas,
nos acercarmos da alma.
A aparição de um precário abrigo
no aroma ressuscitando as tílias
na praça junto à escola
de giz e ardósia e fingidas palavras
por tudo mostrarem ocultando tudo.

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia:  Escola Primária de Alagoa

08 Junho 2014

Peneireiro

Já há alguns anos que não tínhamos o prazer de ver tanta água.

04 Junho 2014

e de repente é noite (XXIX)

É dorido o canto
estrangulado na garganta da tarde
acentuando a irrealidade do real.
Nascem sobressaltos
dos estalidos das madeiras velhas.
Debruçamo-nos no poço
e só a nós ouvimos,
do sorriso das guardas
ao soluço dos fundos.

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia: Pôr do sol - Facho/Vila Flor

29 Maio 2014

e de repente é noite (XXVI)

Ficar em paz com as coisas.
Redescobrir-me no rumorejar
branco das amendoeiras.
Inscrever na cortiça dos anos
a leveza das primeiras verdades.
Atingir a serenidade
das pedras aguçadas
pelos crepúsculos longos.
Saber que cada cidade
é uma falha humana irreparável
e que esta sede
só a sede a dessedenta.

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia: Flores de amendoeira.

23 Maio 2014

Vila Flor - Caminhada Solidária


Dia 8 de junho, às 19h30 horas, participe na Caminhada Solidária.
A inscrição reverte na totalidade para a Liga Portuguesa Contra o Cancro - Núcleo Regional do Norte.
Inscrição: 5€, no Centro Cultural de Vila Flor
Oferta de Mochila, T-Shirt e Água.

e de repente é noite (XXV)

Os ventos afinam
os violinos dos choupos
com o diapasão dos rios.
E o mesmo abalo
que emudeceu a floresta
silenciou os seus lábios,
por excesso de claridade
em todo o corpo.

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia: Vila Flor

16 Maio 2014

e de repente é noite (XXIV)

A charneca de yorkshire aberta
até ao campanário do presbitério.
As nortadas fendendo os muros da herdade.
E a minha esperança que um alto poder
me devolva a sua figura branca
no escuro da cancela. O lenço de seda
flutuando nos pêndulos de luz
dos seus cabelos. A finura dos lábios.
As violetas em redor dos olhos.
Onde estarão, na primavera,
os ventos uivantes no grafismo da neve?
Onde estarei eu de há cinquenta anos
colhendo, até ao fim da noite,
as rosas pressagas do seu jardim
transfigurado em livro?

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia: Castanheiros em Benlhevai.

09 Maio 2014

e de repente é noite (XXIII)

Sei que o corredor me levava
ao nicho da imagem
que de luar cristalizado
se fizera.
Ali findavam
meus ardentes périplos
alvorejando, na glicínia,
arcos de invisíveis primaveras.
Era tudo mais distante
que as palavras.
Onde recordo incendeiam-se grutas
diante de quase nada:
um queixume num recesso de tédio;
o aroma, o rumor
de um fruto sobre a terra.

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.

02 Maio 2014

e de repente é noite (XXII)

Todos desapareceram.
Já ninguém à porta me recebe,
neste instante de cardos.
Só um cortejo de espectros
se move, lento, nas mais densas trevas.
O olhar mudo das paredes.
Sua estranha forma de gritar o silêncio.
A cal esboroada ainda com vestígios
de tantos olhares mortos.
Minha mágoa nos ombros,
porque pressinto neles um vaguear de mãos
encaminhando-me seguramente
através do velho casarão.
Quero culpar alguém deste vazio,
medir minha revolta com qualquer ira divina,
mas só o vento me responde outras perguntas
que mais queimam e ferem,
de uma distância de nuvens.

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia: Vila Flor

Via crucis (02)

Segundo conjunto de fotografias que ilustram a Via Sacra que teve lugar no dia 13 de abril em Vila Flor.




26 Abril 2014

e de repente é noite (XXI)

Havia um poço
de água muito fria
e seus perenes avisos
de obscuridade.
Havia uma bica de bronze
onde pousava a boca
sem ter sede,
só por nela teres bebido.
O dia anunciado
nas fendas da janela.
Fragrâncias matutinas
no voo dos primeiros pombos
a branquear o dia.
E um súbito encantamento
em nossos peitos:
um vulcão de sonhos
mais alto que a manhã.

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia: Albufeira do Peneireiro