24 junho 2020

No vale da Vilariça



- Bonito dia, Rosária!
- Bonito dia, Gonçalo!
Não eram os personagens do «Idílio Rústico», que Trindade Coelho tão finamente bordou, mas um casal de jovens e de trabalho que morava em Sampaio, lá para as bandas da Vilariça, entre Vila Flor e Moncorvo. Tinham-se acabado de erguer, estrelas ainda a brilhar no azul, mas já esmaecidas pela aproximação do sol. Era naquele Agosto ardente, tão ardente que até se assava uma sardinha posta na hora da sesta em cima duma fraga.
O dia ia a romper depressa e o Gonçalo entrou logo de aparelhar os burros e preparar os sachos para marchar direito à canameira, a meia légua de distância de sua casa.
A Rosária já tinha posto na mesa de castanho, preto de velho, os figuitos e a aguardente do mata-bicho e começava a apanhar no Cabanal alguns guiços bem sequinhos para adiantando o almoço que, por volta das onze horas, ia levar ao seu homem: e até o Zé, raparigo dos seus sete anos, filho do casal, dava os últimos amanhos às costelas e pescoceiras, untando de cuspo as tranquetas dos sedenhos daqueles  e experimentando as molas destas, e verificava se as formigas de ala estavam bem presas e vivas nas grileiras das armadilhas, cevadas de véspera, pois esperava fazer uma boa colheita de tralhões, rabitas, piscos e folecras. E lá vai ele com o pai, que já desce a ladeira, burricos à frente com angarelas, sachos e apetrechos vários sobre as albardas.
As margens do vale são alinhadas e bastante abruptas. Quer dos lados de Vila Flor, quer dos de Alfândega da Fé ou Moncorvo, desce-se muito para se lá chegar. Segue ao longo da Ribeira, desde os cerros de Bornes até ao rio Douro, onde estronca em esquadria.
A canameira do Gonçalo, herdança do seu falecido e bom pai, era uma larga faixa de terreno, começando no caminho marginal e acabando na Ribeira. ladeada pelas courelas dos vizinhos.
Quase ao centro, via-se uma nora de alcatruzes zincados que trazia à água de pequena profundidade até à altura de um metro, suficiente para chegar à todos os cantos do terreno.
Aquelas terras são de uma fertilidade extraordinária!
E este ano, especialmente, que houve «rebofa»!
Quem conheceria aquela extensa planura cobertinha de água que transborda, vale acima, do endemoinhado Douro, muito subido pelas chuvas torrenciais de muitos dias?
Aquela água toda, com um rico nateiro de naturais e fortes adubos, dava à Vilariça o grandioso aspecto dum lago, como outrora dizem que foi, e à ubérrima seiva que vicejará nos seus belos e afamados frutos.
Santa terrinha esta, em cujo seio exubera o sagrado mistério da germinação, no dizer de Campos Monteiro, que a cantou!
E o Gonçalo bem lhe conhecia o valor! Se era quase só dela e do trabalho aturado dele e da própria patroa que viviam!
E governaram-se regularmente, pois tinham um bem fornecido bragal, boa adega com salgadeira, a pipa do carrascão, as linguíças, embrulhadas em velhos envelopes. Numa caixa de madeira, a talha das azeitonas, a arca do azeite, o garrafão da aguardente, uma tulha de pão, um monte de batatas, cabos de cebolas e alhos ao dependuro; e lá no canto da arca, escondia-se uma boa maquia forra.
Muita fartura para os três, muita poupança, mas nada de luxos ou gulodices.
— Eh! burros! Xó!
Mal chegou. o Gonçalo atrelou um burro ao pau da nora, com um frondoso ramo de salgueiro escarranchado no cachaço, para o aliviar da mosca.
O outro iria pastar até chegar a sua vez.

O nosso Zé, com um pequeno sacho, ia fazendo terra fresca, aqui e além, em lugares adrede,  junto dos poisos certos da passarada. arrumado a uma árvore ou a um poste da vinha ou à um merouço com silvas, onde armava as costelas de maneira que o sol. logo ao nascer, fizesse rebrilhar bem às asas das formigas, isca muito apetecida e difícil de arranjar.
O pai, deixando o jerico sozinho a puxar à nora, foi para a horta, de sacho às costas, a guiar à água que, pelas augueirras, corria aos diversos talhos dispostos com simetria. Aqui um talho de cebolo, ali outro de tomates, além de pimentos, de feiões, de abóboras ou botelhas, de pepinos, de cenouras e tal e tal e, mais ao fundo, junto à Ribeira, uma grande extensão onde medrava o «fruto», melancias e melões que faziam boa figura nos mercados próximos.
Alfaces tentas e couves galegas estendiam-se ao longo das augueiras; e no entre-meio de alguns regos e nas pontas das rodeiras, até se aproveitavam os beldros, óptimos para o caldo, que ali cresciam ao Deus-dará.
E à rega ia-se fazendo lentamente, num abrir e fechar de regos que o sacho de Gonçalo operava numa roda viva.
Uma ou outra vez, à água nunca mais chegava ao fundo dum rego, pois se escoava pela buraca de alguma toupeira, à qual não tinha sido afuguentada pelo cadáver duma outra, morta na véspera e espetada numa rodriga a dois ou três pés do chão.
Tapada a buraca por meia dúzia de chuçadas com o olho do sacho, a regra continuava.
Por volta das onze, pela hora velha, quando o Gonçalo soltava o burro para o largar no pasto ao pé do outro e o Zé regressava com alguns pássaros da caçada, chegava a Rosária, de cesta à cabeça, coberta com uma taleiga vazia em que havia de levar, no regresso, alguns pimentos para a ceia.
Dirigira-se para a cabana de colmo, prantada na sombra duma grande nogueira.
O calor já era sufocante e todos limpavam o suor da cabeça e do tronco por entre os peitos das camisas largamente abertos.

Estendido o almoço no chão, sobre uma toalha de linho, alva retesada pelo cloreto, os três se abeiraram da comida, munquindo-lhe e bebendo-lhe assim como manda à lei! O caldo dos tais beldros, muito gostòzinho, o bacalhau com batatas, regados a azeite e vinagre vindos em garrafinhas, e a bela pinga da cabaça que refrescava as secas guelas (até o Zé bebia uma chícara dele!).
Depois... ficavam todos a fazer de jibóias, para ali deita- dos cada um a sua sombra.
Que calmaria durante aquelas horas de sesta! Muito calor, o zumbido das vespas em volta de alguma poça de água que ficou da rega, nem o pio dum pássaro, nem o cri-cri dum grilo!
Mais tarde, ainda com bastante calor, recomeça o trabalho.
Quando a camioneta da carreira subiu a estrada por altura dos Nuzelos, nas ladeiras em frente, o nosso bom Gonçalo já andava com os burros jungidos à charrua, a lavrar a restolha da trigueira. O Zézito, finda a caçada e levantadas as armadilhas, (a tarefa rendeu doze tralhões, três rabitas, e alguns centieiros) tinha ido à Junqueira, povoação na margem oposta do vale, junto à estrada, levar um recado ao seu padrinho Sá Lemos. Ao chegar lá a casa, ficou espantado de ver os filhos do padrinho muito bem postos, com andainas novinhas e gravatas de seda!
Perguntando a um deles os motivos de tanto luxo, foi-lhe respondido que o pai tinha encontrado uma panela de moedas romanas, ao surribar uma terra para bacelo e que o Senhor  Soveral Pastor, de Vila Flor, muito amigo de coisas antigas, lhas tinha comprado por bom preço! Intervindo, o padrinho do Zé deu-lhe a bênção e disse-lhe que já não era a primeira vez nem a segunda que por ali apareciam potes de barro a abarrotar de ricas peças do tempo dos romanos. E havia também muitas pedras de túmulos. Não, que toda a vizinhança era rica de coisas históricas!
Aquela estrada que passava no alto das Quintas do Zimbro e da Tarrincha, foi feita pelos romanos. E as ruínas daquele castelo, frente à Quinta da Silveira, sobre o cabeçozito que se eleva entre o sabor e a Ribeira? Esse não sabia de que data era, mas sabia que deu nome ao vale, pois foi sede dum povoado que se chamava Vila Rica de Santa Fé.

Cumprida a missão, o Zé voltou à canameira muito admirado do que tinha ouvido.
Quase ao toque das Trindades, carregadas as angarelas dos jumentos com algumas botelhas, bandeiras de milho e vagens de feijão, lá seguiram ladeira acima, a caminho de casa, o Gonçalo e o filho, pois a senhora Rosária já tinha abalado, para tratar da ceia.
Junto à fonte das águas minerais, de muita fama para as doenças de estômago, encontraram um grupo de pessoas lá do povo que comentavam um episódio muito engraçado, sucedido na véspera.
Foi o caso que o João Rendeiro, cuja mulher andava para toda a hora, ao despertar, de madrugada, sentiu com os pés uma coisa a mexer-se no fundo da cama; e, certificando-se do que era, deu uns empurrões à patroa gritando-lhe:
- Acorda, oh, Rosa! Olha que já te nasceu o raparigo!

Texto retirado livro Paisagens do Norte, da autoria de Luís Cabral Adão, publicado em 1954. Luís Cabral Adão nasceu em Vila Flor, Trás-os-Montes, no dia 24 de Junho de 1910, tendo falecido em Almada a 6 de Agosto de 1992. Os restos mortais foram sepultados no cemitério da terra natal, assim se concretizando um anseio que expressamente havia manifestado.

Cabral Adão - Síntese Biográfica


01 novembro 2016

Já se passaram 10 anos

É verdade, já decorrem 10 anos desde que começou a aventura À Descoberta de Vila Flor.  A data do aniversário é 3 de setembro, mas este ano não tive direito a bolo ou champanhe para a festa. Mesmo assim, sem festa e em data atrasada, não quero deixar de fazer o balanço de mais um ano decorrido.
Já vai longe o entusiasmo inicial, de percursos semanais, cada vez mais distantes, percorrendo o vales mais recônditos ou o cume dos montes. Os anos vão passando e fui-me acomodando, a "descobertas" que exigem menos esforço, mas que deixam muito a desejar no prazer da descoberta. Já há muito afastado da bicicleta, restam os percursos pedestres, com muito poucos caminhos para descobrir. A parte mais saborosa destes anos foi quando ninguém me conhecia. Fazia os percursos, vibrava com as fotografias, escrevia as reportagens como quem fazia um diário,revivendo cada metro percorrido ou cada fotografia tirada. Não esperava nada de ninguém, nem ninguém esperava nada de mim. A partir de certa altura tornei-me mais urbano e o contacto com as pessoas nem sempre é motivante para darmos mais de nós.
Com a facilidade com que se publica e se descarta a informação nas redes sociais, escrever um texto com o mínimo de coerência e estrutura torna-se uma tarefa pesada. A diferença deu-se quando comecei a escrever para os outros, mais do que para mim. A fraca frequência com que o blogue foi actualizado contrasta com o dinamismo da página do Facebook que administro, que já soma alguns milhares de seguidores. Mas não é a mesma coisa. É verdade que é no facebook que estão as pessoas, mas também é aí que tudo é volátil, descomprometido e falso, de certa forma.
Das poucas caminhadas que fiz durante um ano houve uma que merece destaque. Tratou-se de uma ida de Freixiel à Quinta do Pobre, durante o mês de março. Percorrer mais uma vez o vale da Cabreira, numa altura em que a vegetação despertava do seu sono invernal foi muito entusiasmante. As condições atmosféricas também contribuíram, com alterações significativas desde o sol à chuva "molha tolos", terminando a caminhada com um fantástico céu azul pincelado de nuvens brancas.
De 3 de setembro de 2015 a 3 de setembro de 2016 aconteceram grandes alterações na minha vida e na da minha família. Momentos delicados, uns felizes, outros nem tanto, mas que mereceram prioridade sobre a actividade de "vagabundo" fotográfico, no concelho de Vila Flor e fora dele. A prova de hoje estar aqui, a escrever, é a de que segui em frente e estou preparado para o 11.º ano, à procura de singularidades que me surpreendam, me arrepiem, que me façam sentir que vale a pena viver aqui.
À semelhança dos anos anteriores, é a altura de dar uma vista de olhos aos números.
Números do 10.ºano:
Páginas vistas - 15.117
Visitantes -  10.598
Comentários - 8
Postagens - 5
Km percorridos em BTT - 0
Km percorridos a pé -  34
Fotografias tiradas - 9.671
Fotografias publicadas -  15


Números totais (10 anos):
Páginas vistas - 771,713
Visitantes - 365.062
Comentários - 1 896
Postagens - 1 157
Km percorridos em BTT(10 anos) -  2.297
Km percorridos a pé (6 anos) -  952
Fotografias tiradas - 161.320

31 outubro 2016

Caminhada pela Fragada

 A Junta de Freguesia de Santa Comba da Vilariça organizou no dia 29 de outubro uma caminhada, caminhada pela Fragada.
A vontade de organizar a caminhada já surgiu há algum tempo, mas só agora se reuniram as condições para a poder por no terreno. A hora não não foi a mais propícia, 15 horas de sábado, mas foi escolhida tendo em conta a realidade local, em que muitas pessoas trabalham ao sábado de manhã e também o facto de no domingo ser dia de caça.
Compareceram um pouco mais de 40 caminheiros, de todas as idades e com vontade de conhecer (ou de rever passados muitos anos) a Fragada.
O local situa-se entre a aldeia de Santa Comba da Vilariça e Bemlhevai, próximo do IP2. Tal como o nome deixa antever, trata-se de um lugar agreste, situada numa cota bastante mais alta do que Santa Comba da Vilariça e que permite uma excelente vista para o vale da Vilariça.
Aproveitou-se também a caminhada para uma sensibilização da população para o problema do cancro, uma vez que o dia 30 de Outubro ser o Dia Nacional contra o Cancro de Mama. Muitas pessoas vestiam peças de roupa brancas ou rosa e foram distribuídos balões cor-de-rosa.
 Depois de verificadas as inscrições e ser distribuída a mochila com água, uma peça de fruta e uma barrinha de cereais, o grupo partiu em direção à Fragada. A subida era íngreme, e apesar do caminho ser bastante bom, fazia muito calor e alguns sentiram alguma dificuldade.
 Diminuiu-se o ritmo para manter o grupo junto e seguiu-se em frente ouvindo as história de por quem já por ali tinha andado à cortiça, com o gado ou à caça."Andai lá ovelhinhas, cada sobreiro "bota" um Viriato", ouviu-se a certa altura. Ficamos a saber que houve tempos bem mais difíceis, tempos em que até a Fragada era importante (e guardada).
Depois de atingido o ponto mais elevado do percurso a paisagem fez esquecer o suor e a descida foi feita entre momentos de boa disposição e de contemplação. Um roco apareceu a lembrar a época dos cogumelos.
No final da caminhada o Sr. Presidente da Junta mostrou-se satisfeito com a adesão conseguida nesta primeira edição. Agradeceu a presença de todos e prometeu novas caminhadas no futuro.
O evento teve o apoio da Câmara Municipal e do Grupo Desportivo de Santa Comba da Vilariça.

07 novembro 2015

Deixa falar o silêncio

Foi para ti, quenquer que sejas, que se aformoseou este recinto.
Superaste até o atingires, o cansaço da subida.
Convido-te a um instante de recolhimento.
Bem mereces uma pausa de harmonia interior.
Não procures palavras, deixa falar o silêncio.
João de Sá

Completou-se mais um aniversário do nascimento do grande poeta vilaflorense João de Sá. Para lembrar a data subi ao miradouro. Deliciei-me com as suas palavras e com a paisagem vibrante numa hora de sol num dia de nevoeiro.
Vaguei pelas capelinhas e senti que João de Sá estava lá, no coloridos das folhas, nas gotas do orvalho da manhã, nos cogumelos que crescem no humus e no melro azul que guarda os rochedos. Quantas poemas João de Sá terá recitado a esta ave solitária?
Deixei que o vento me sussurrasse alguns versos ao ouvido e prometi voltar mais vezes para lhe fazer alguma companhia.

22 setembro 2015

e de repente é noite (XXXVII)

XXXVII
Não aceites a morte, mãe,
recusa-a em consonância
com o coração da terra.
sê a firmeza
daquela rocha lilás
onde o vento inutilmente
se esfacela.

XXXVIII
Outra vez o serão.
O piano perfurando
a densidade do tédio.
Estilhaços do temporal
da tarde
perseguindo o voltear
dos zilros.
Ah o perfume da serra
roendo-nos os zincos da alma.
É urgente uma jaula
de esquecimento
para este grito.

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia: Trabalho com base num jovem sobreiro fotografado em Benlhevai.

18 setembro 2015

e de repente é noite (XLVIII)

O tempo pousa-me nos dedos,
sugerindo aquele esbelto pássaro,
à tarde, hirto em tuas espáduas nuas.
Uma maré de crisântemos ritma
a tua impaciência em desejares
que seja no teu peito
que os braços se encontrem com o mar.
Em Março, no adro da capela, minhas tristezas
florescem acácias amarelas
e perpetuam-se na vibração dos sinos.
Um estranho toque
vem despertar setembros
de cachos de uvas suspensos do tecto,
na frescura das salas,
listando o espaço de tons mansos
como quem tece casulos de calor
para vencer o inverno.

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia: Cume do Facho, após um incêndio.

15 setembro 2015

Reencontro com os caminhos

A análise das distâncias percorridas no ano anterior mostram que caminhei muito pouco, pelo menos no  concelho de Vila Flor. Por isso, nada como recomeçar com mais força, testando o físico. O trajecto escolhido foi um já muitas vezes percorrido: Vila Flor - Santa Cecília, com ida e volta por caminhos distintos. São cerca de 15 km, com algumas paragens para apreciar a paisagem, é percurso para uma manhã inteira.
 Por sorte o dia estava bastante bom para caminhar. A manhã fresca mostrou um céu com algumas nuvens que se foram pintando de negro. Por várias vezes caíram pequenas gotas de chuva, refrescando o ar e fazendo-me recordar emoções de outras caminhadas.
Houve duas coisas que marcaram o passeio, uma boa e outra má. A boa foi a quantidade de frutos da época que permitiram algumas fotografias interessantes, a má foi o reencontro com bastante lixo espalhado pelos montes, que mostra que muito mudou na vida das pessoas, mas o civismo ainda está muito longe do desejável.
Os campos estão bastante despidos de verdura. O calor do verão matou todas as ervas e só as giestas e pinheiros se mantêm "vivos". Já nos terrenos agrícolas há muito para ver e fotografar: são as amêndoas prontas para serem apanhadas (muitas já o foram); as uvas estão maduras e este ano parece haver grande quantidade; há muitas pêras, maçãs, alguns pêssegos e figos a sustentarem bandos de estorninhos que parecem muito satisfeitos com a abundância. As silvas das bermas dos caminhos estão carregadas de amoras e nos castanheiros os ouriços começam a ganhar forma.
Apesar das ameaças de chuva, a paisagem estava muito bonita. O Cabeço, visível ao longo de metade da caminhada, por vezes iluminava-se parecendo um farol. De Samões avistava-se o vale de Freixiel, permitindo admirar a paisagem até mais longe, pelo concelho de Murça, Alijó, quem sabe até de Valpaços ou Vila Pouca de Aguiar.
 Acompanhei de perto o traçado do IC5. Os carros passavam rápido, apressados, fazendo-me sentir feliz, por poder andar devagar, saborear o vento e a chuva, sentir o chão, ouvir os sinos da igreja de Carvalho de Egas, sem mais preocupações do que a de chegar a casa entre o meio-dia e a uma, para não fazer a família esperar por mim para o almoço.
Fiz uma visita aos "mal casados". Para quem não sabe, são duas rochas de "costas" voltadas uma para a outra. Não sei se uma música romântica ajudaria a "quebrar o gelo", mas como ainda ninguém teve essa "brilhante" ideia, as rochas vão continuar de "costas" voltadas, merecendo plenamente o nome de "mal casados".
Num dos parques de estacionamento do santuário de Santa Cecília há uma pequena macieira, bravo de esmolfe, que costumo visitar nesta época do ano. Estava carregada de frutos, maduros, sumarentos, bastante maiores do que em anos anteriores. Não tive muito tempo para pausas, mas colhi algumas maçãs que fui mordendo ao longo do caminho.
Foi após deixar Santa Cecília para que encontrei  montes de lixo. Infelizmente o lixo vai aparecendo um pouco por todo lado. Um sofá, aqui, um televisor mais além, há um pouco de tudo e onde menos se espera. Mas havia carradas de lixo, muito vidro, coisas que não dignificam as pessoas e as instituições.
 Cheguei à barragem do Peneireiro perto do meio-dia. Algumas pessoas faziam os seus exercícios de manutenção. O Parque de Campismo já tem poucos campistas. A barragem tem um nível incrivelmente baixo de água. No local já se sente a calmaria típica da maior parte do ano. O verão é muito bom, e necessário, até economicamente, mas nós temos o privilégio de poder gozar estes espaços durante o resto do ano.
Caminhei sem parar até Vila Flor. Senti-me muito bem fisicamente. A pausa de verão e o aumento de peso não afetaram o meu gosto por caminhar. Senti-me livre, relaxado, satisfeito por fotografar de novo os montes que tão bem conheço.
A caminhada teve perto de 15 km, uma distância aceitável  para início de temporada.

11 setembro 2015

e de repente é noite (XLVII)

Não reduzas tudo a esquadria e pedra.
Há sempre uma criança
em nosso horizonte de altas velocidades,
um ninho vazio nas mãos,
delgado corpo de aldeia à hora da sesta.
E o carvão de uma imensa noite
subindo pelas fontes onde correm
nossos terrores de caudaloso magma,
ávidos do centro
de um círculo perdido.

Poema de João de Sá, do livro "E de repente é noite", 2008.
Fotografia: Miradouro, em Vila Flor.

10 setembro 2015

Já passaram 9 anos!

Vindima perto do Gavião - Seixo de Manhoses
Foi há 9 anos que começou a aventura À Descoberta de Vila Flor. Tratou-se de muito mais de que a abertura de um Blogue, foi o início de uma nova etapa na vida de várias pessoas.  Muita coisa aconteceu em nove anos, alguns contratempos, mas, no global, foram 9 anos de muitas aventuras, muitas fotografias e momentos memoráveis, uns reportados, outros não.
Cesta de cogumelos silvestres  
O ano que agora termina (de setembro a setembro) foi aquele em que o blogue teve menos vida. As postagens foram muito poucas, menos de uma por mês e isso repercutiu-se no número de visitantes. Esta tem sido a tendência dos últimos anos, quer pela falta de novidades, quer pela migração para outras plataformas que se mostram mais atractivas e com maior numero de pessoas.
Fumeiro de Vila Flor numa das mostras TerraFlor
Os percursos pedestres foram poucos. Com alguma frequência fiz um passeio à barragem do Peneireiro, por caminhos diferentes, ao cair da tarde. Poucas vezes levei a máquina fotográfica. Os locais a visitar, pela primeira vez, no concelho são poucos. Os sítios arqueológicos, fontes, igrejas, capelas, marcos geodésicos, alminhas, etc. foram todos visitados e a maior parte deles mais de que uma vez. As festas e romarias também proporcionam alguns bons momentos fotográficos, mas começo a sentir algum cansaço. Têm muito pouco de genuíno e, por vezes, acho que deveria haver mais respeito, mesmo da parte de quem não é praticante.
Amendoeiras em Flor, uma das maiores atracções turísticas do nordeste transmontano
 Sem dúvida que os melhores momentos foram os iniciais, quando tudo era novo. Eu era totalmente anónimo e podia deslocar-me e escrever de forma completamente livre, sem receios do que outros pudessem pensar. Com o tempo a espontaneidade foi diminuindo e começaram a "requisitar" a minha presença. As coisas são mais saborosas quando são feitas por puro prazer e não por qualquer outra razão.
Festa do foral manuelino em Freixiel
Gostaria de ter mais contacto com a terra, acompanhar os trabalhos do campo, as sementeiras, as colheitas, o crescimento das culturas, saber os nomes das plantas, as histórias das aldeias, as tradições que se perdem, mas  tenho pouco tempo e não quero perder a minha liberdade de caminheiro, no concelho de Vila Flor, ou em qualquer outro. As saídas em BTT praticamente desapareceram.
Fruta da Vilariça - Feira TerraFlor
Mesmo sendo muito crítico em relação ao Facebook, acabo por dedicar muito tempo a administrar Páginas e Grupos dos quais dois dedicados ao concelho de Vila Flor: Página "Vila Flor, Concelho" e Grupo"Vila Flor - Portugal". Ambos têm tido um crescimento bastante bom, apesar de existirem alguns grupos e muitas Páginas sobre Vila Flor.
Rua de Santa Luzia, ao fim do dia
O que os torna diferentes são o rigor, o respeito pelos direitos de autor e os conteúdos interessantes (muitas vezes próprios). No fundo tento usar a Página e o Grupo com a mesma filosofia do Blogue. Chego a mais pessoas, mas faltam as palavras. As palavras são importantes assim como é importante para mim, investigar e fazer esforço para as escrever o melhor que sei e posso.
Vinho fino - Feira TerraFlor
Apesar de poucas actualizações no Blogue ao longo deste ano tirei mais fotografias do que o ano anterior. Foram mais de 17 mil. São mesmo muitas! Pode parecer um exagero, não há tanto assim para fotografar, mas por vezes faço uma dezena ou duas de fotografias sobre o mesmo assunto. Acredito muito pouco na sorte fotográfica, aposto mais no trabalho, na repetição  alterando os parâmetros da fotografia até conseguir um resultado satisfatório.
Festa de S. Bartolomeu 
A câmara Cyber-shot DSC-W610 que usava nas caminhadas "morreu". Por duas ou três vezes que embateu violentamente contra as fragas, até que a objectiva deixou de me obedecer. Comprei uma PowerShot SX700 HS. É uma câmara cheia de recursos, dos quais se destacam o funcionamento manual, semi-automático  à velocidade e ao diafragma, wireless e um zoom óptico 30X. Contudo, muitas das fotografias que faço, são feitas com um tablet iPad. A qualidade não é comparável ao de uma máquina fotográfica mas a facilidade de edição e de partilha na Internet são argumentos de peso.
Imagem de S. Bartolomeu 
O décimo ano já teve início. Tal como nos anos anteriores não há planos. Manter um Blogue "vivo" dá muito trabalho e não sei se há visitantes que justifiquem o esforço. Também é verdade que não criei e mantive o blogue para agradar a terceiros, mas sim pelo prazer de descobrir, conhecer e divulgar. Tentarei gerir o tempo o melhor possível, procurando novos motivos de interesse, quer para o blogue, quer para divulgação noutras plataformas.
Para já, desejo um bom ano a todos.

Bolo do 9.º  aniversário, partilhado com amigos

Números do 9.ºano:

Páginas vistas - 25.771
Visitantes - 16.292
Comentários - 10
Postagens - 8
Km percorridos em BTT - 15
Km percorridos a pé -  59
Fotografias tiradas - 17.225
Fotografias publicadas -  45
Alguns dados estatísticos da evolução do Blogue

Números totais (9 anos):

Páginas vistas - 751.379
Visitantes - 352.090
Comentários - 1 884
Postagens - 1 167
Km percorridos em BTT(9 anos) -  4.580
Km percorridos a pé (9 anos) -  1.748
Fotografias tiradas - 161.320

27 julho 2015

Rotunda

"Em tempos que não vão longe, descia do Gavião, bolsa atravessada. Do alto do povoado, com a corneta de local delido, juntava, pelo eirô, os interessados em notícias.
O acto rotineiro acertava a aldeia sem relógio de campanário.
- Co...rrei...o...o!
A penúltima sílaba era sempre longa, atirada com o fôlego de alegria cheia. Quer em dias de casa, aborrecido; quer em manhãs de primavera; ou na ventania agreste do outono esvaecido, ou pelo inverno triste com palmos de nevoeiro.
- Dê-me um de dez tostões!
- Vosselência não tem nada hoje!
- Hoje, não, não pode ser sempre. Remate ao sebastianismo ingénuo do seu faminto rebanho.
Vivia todo preso àquele seu mundo. De graça, dava boas novas, de graça, entregava notícias más.
Se ele soubesse o que oferecia , às vezes, dentro de um sobrescrito, não daria a ninguém novas de sofrimento.
- Espere aí, pegue lá um copito, é p'ró caminho!
- V, então, depressa e eu é que lhe agradeço.
- D'hoje a um ano!
- E o senhor que os conte...
Na horta do portão, naquela tarde dos pássaros não cantarem, pousou a cabeça, duas pedrinhas e, de borco, sorveu dois tragos fundos da fontela.
- Tu não vens bô, home!
- Que é que vocemecê tem, meu pai?
- São uns frios, isto não é nada!
- Vamos ainda pôr as batatas?
No outro dia, a corneta não se ouviu no povoado. Depois, e depois... e sempre, foi outro de semblante mais triste. O povo não gostou.
Já não se ouvia a corneta do alto da sua aldeia."

Poema de Nascimento Fonseca*, publicado no jornal Enié  a 15-10-1975.

Fotografias, pela ordem: Aldeia abandonada do Gavião; Vista parcial da aldeia do Nabo; paisagem em direção ao vale da Vilariça, a partir de Vila Flor; marco do correio existente na Praça da República em Vila Flor.

*José do Nascimento Fonseca nasceu no Nabo a 22-12-1940 e faleceu a 27-07-1983.