06 abril 2008

Na Linha do Tua - 2


Ontem foi dia de mais uma etapa À Descoberta da Linha do Tua e do Rio. Depois da experiência da primeira etapa que me levou do Cachão à Ribeirinha, pensei na melhor maneira de continuar, em direcção ao Tua. Optei por descer parte da linha na automotora, partindo da Ribeirinha e fazer o caminho de regresso caminhando (2). Depois de estudar um pouco a linha, achei que podia caminhar da Brunheda até à Ribeirinha, e foi isso que eu fiz.
O dia estava bonito, sem nuvens, quente, a convidar para o passeio ao ar livre. Pouco depois das 10 da manhã já estava na Ribeirinha. Estacionei o carro e ainda tive tempo de ir até ao rio tirar algumas fotografias. Às 10:30 chegou a automotora. Transportava 8 viajantes, o condutor, o revisor e um cão. Não era o único interessado em registar as belezas da paisagem em fotografia, havia pelo menos mais três pessoas. Em Abreiro entraram mais 4 pessoas, sem bagagem, com todo o aspecto de viajarem por prazer.

Quase sem dar conta, estava na Brunheda. Desci da automotora e esta continuou em direcção ao Tua. Comecei a caminhada de regresso exactamente às 11 horas. Calculei que percorrer o caminho me levasse 2 horas e 3 para tirar fotografias.
Na maior parte do percurso não há caminho e por isso tinha que caminhar pela linha. Onde fosse possível e interessante, deixaria a linha e desceria até ao rio. Também tinha por objectivo fotografar a flora e fauna. O ano corre muito seco e não há muita vegetação. Com as temperaturas amenas que se fazem sentir, há muitas plantas floridas e por isso não me faltariam motivos para fotografar.
Pensei em subir à ponte para ter uma boa perspectiva da linha e da estação, mas desisti, isso ira levar-me bastante tempo.
A primeira coisa que me surpreendeu, foi a quantidade de vinhas que estão a ser plantadas nas encostas do Tua! Havia muitos grupos a trabalhar em novas vinhas. Ao contrário do que se imagina, existem nas duas encostas do rio muitas terras ainda cultivadas. A maior parte são vinhas, mas há também oliveiras e amendoeiras. A segunda, foi a quantidade de ninhos que há nos barrancos da linha.
Tinha andado cerca de dois quilómetros quando me surgiu a primeira açude. Havia ainda as paredes de uma azenha e como o acesso era fácil, desci ao rio. A construção é grande e robusta. As mós ainda lá estão. Estava eu entretido a tentar fotografar o movimento da água quando um melro-da-água (Cinclus cinclu) vei-o investigar-me. Fiquei excitado, é uma ave difícil de fotografar, não desperdicei a oportunidade. Ao longo de todo o percurso observei muitos cágados, alguns enormes. Estão sempre muito atentos e é difícil aproximarmo-nos deles. Também observei algumas garças-reais, perdizes, melros e melros azuis (Monticola solitarius, como eu). Curiosamente não vi nenhuma ave de rapina.

A segunda açude vim a encontrá-la junta à estação de Codeçais. Também aproveitei para descer ao rio e fazer algumas fotografias. Na ombreia da porta da azenha pode ler-se com facilidade os anos de 1879 e 1939. Neste ponto, faz-se a divisão de 3 concelhos: Carrazeda de Ansiães, Murça e Mirandela. Pouco depois de subir à linha, passou a automotora em direcção a Mirandela.
Nesta zona a vegetação é composta por giestas, freixos, choupos, sobreiros e carrascos. Há também algumas estevas, pilriteiros, torgas e gilbardeiras. Os pilriteiros (Crataegus monogyna) estão particularmente bonitos, carregados de flor, branca, miudinha e cheirosa. As plantas anuais e muitas bolbosas também estão em flor, despertando a minha atenção. Isto já para não falar das violetas selvagens que se encontram ao longo do rio, dos pequenos amores-perfeitos selvagens que estão por todo o lado.
Depois de percorrer pouco mais de 5 quilómetros encontrei a primeira ponte. Identifiquei imediatamente o local. Só podia ser a ribeira que atravessa Freixiel a juntar-se ao Rio Tua. Encontram-se à direita da linha, a poucos metros, ruínas de várias casas. Deve ter existido aqui possivelmente alguma quinta. O rio sofre um estreitamento, as águas correm muito agitadas e fazem muito barulho.
Depois de andar 8 quilómetros estava na estação de Abreiro. Já tinha perdido a conta às fotografias, felizmente a bateria ainda estava para durar e, portanto, podia continuar. Após passar uma zona onde vale é mais aberto, depois da ponte de Abreiro, entra-se na zona mais agreste deste percurso. O rio estreitece de tal forma que parece ser possível saltar de um lado para o outro.

Depois da Ponte do Diabo, desci pelas fragas para fotografar alguns rápidos do rio. Esta zona é muito perigosa, deve haver poços com muita profundidade e águas muito violentas. O barulho era ensurdecedor.
Nas frestas das rochas crescem violetas e Jacinto-dos-campos (Hyacinthoides hispânica) com cores tão delicadas que são difíceis de fotografar. As águas agitadas do rio pareciam agora de outra cor.
Cada curva do rio, cada curva da linha, abrem horizontes para infindáveis composições de cores e enquadramentos. Dividi-me entre os grandes planos das encostas, a vegetação que ladeia o rio e as curvas preguiçosas da linha. O tempo foi passando e aproximava-me cada vez mais da Ribeirinha.
Entretanto verifiquei que estava quase na hora da automotora passar de novo em direcção ao Tua. Tomei posição num ponto alto e esperei pacientemente. Às 16:50 a automotora passou, permitindo-me mais algumas fotografias.
Pouco tempo depois a violência das águas foi diminuindo gradualmente. O rio alargou-se e surgiram enormes árvores nas suas margens. A Ribeirinha estava perto! Abandonei a linha e segui mesmo junto à água até chegar à aldeia. As águas estavam calmas e os reflexos da folhagem formavam harmoniosos quadros.

Cheguei à estação já eram seis horas. Ultrapassei em duas horas a minha previsão, mas fiz o percurso sem pressas, descendo ao rio várias vezes e tirando mais de 1300 fotografias. Não senti cansaço, apenas alguma fadiga nas pernas e o pescoço a ferver do sol que apanhou. Fazendo o percurso pela linha seriam mais ou menos 12 quilómetros. Com as voltas que dei, não faço ideia quantos quilómetros percorri.

Já sinto muita vontade de fazer o resto do percurso até ao Tua.

(Outras fotografias deste passeio percurso podem ser vistas aqui.)

6 comentários:

euroluso disse...

No momento em que corre uma petição para salvar a Linha do Tua
é importante que surjam artigos como o teu na internet. Lendo a narrativa do teu passeio pela Linha do Tua fico admirado com o teu estoicismo e o conhecimento que tens dos passáros e das flores do campo. Quem me dera fazer o mesmo que tu, caminhar pela Linha do Tua!
Deves saber que vi a tua exposição Testemunhas. Gostava de ficar com a foto que na altura indiquei à menina vigilante. Não te mantenhas calado.
Um abraço
Adriano Augusto

Li Malheiro disse...

OLá. O Tua é lindo mesmo.
merece este destaque que nos enche de orgulho por termos nascido por essas bandas que fazem parte do REINO MARAVILHOSO, que Torga criou. Cito de memória um trecho do seu diário "...Foi ao monte para ver um pilriteiro, pois dizem-me que estão em vias de extinção..." o pilriteiro ainda existem, pois mostra-lo numa bela foto, esperamos que a lindeza do Vale do Tua também resista há extinção que lhe vaticinam.
Muito bela esta reportagem, o que muito mos enriquece a memória e aviva a vontade de lá voltar.
Um abraço com amizade.
Li Malheiro

Anónimo disse...

Olá
Ah, VALENTE!!!
Parabéns e Obrigada!
...Era giro juntar-me a esses "lindos meninos" acima, e, afoitar-me numa caminhada conjunta... Sim. Era giro. E pernas????!!! (De 14/7 a 8/8, vou passar por aí, de certeza)
Abraço
Esmeralda

Anónimo disse...

como geógrafoe e amante da paisagem só tenho a dizer que este blog continua a surpreender com umas fotografias de elevadíssima qualidade. bem haja

luis teixeira

Anónimo disse...

Fantástico, todo o trabalho resultado deste passeio pela Tua.
O teu trabalho e estoicismo,é de facto apreciado por muitos,que estão atentos, ao teu blog.
Tem paciência caro Anibal,só te resta mesmo continuar,a mostrar este mundo encantador, ao resto do mundo,que o desconhece verdadeiramente.Por vezes só de ouvir falar.
Quantos ás fotos,são extraordinárias,a máquina dever ser mesmo boa,lá terás que te habituar a ela.
Parabéns Aníbal.Um abraço amigo
Rui Guerra

Anónimo disse...

Bravo!
É preciso subscrever a petição que o Movimento Cívico pela Linha do Tua tem na Net. São precisas 4000 assinaturas, ainda faltam uma 800. É preciso salvar o Tua das garras do betão e dos Accionistas que só vêem "notas", não são de lugar nenhum, não têm amor a coisa alguma que não seja a sua carteira.
Salvemos o Tua neste momento em que os Autarcas recuaram e querem um estudo. E louve-se o Dr. Silvano de Mirandela cuja visão é mais alta. Ajudemos os restantes autarcas a subir mais alto.
Pela defesa do Tua e da sua Linha.