15 dezembro 2008

As feiras

"Os dias 15 e 28 de cada mês constituíam, para mim, verdadeiros acontecimentos.
Muito cedo ainda era acordado pelo barulho e azáfama com que na Praça eram colocadas umas longas mesas de madeira, com pernas em X, devidamente travadas. Muitas vezes eram ligadas entre si por estrados que partiam dos tampos, proporcionando uma maior exposição de mercadorias.
Aos poucos iam chegando os tendeiros que armavam as respectivas tendas e começavam a dispor a mercadoria.
Desde muito novo que recordo a curiosidade com que, cara encostada às vidraças da nossa casa, observava a agitação do montar da feira...
Volta que não volta, chegavam camionetas de carga, com bancos em U, ao correr dos taipais e por trás da cabine, ficando o estrado reservado às mercadorias.
Algumas, mal descarregavam, partiam de novo, para regressar com mais pessoas e carga.
A Praça que, normalmente me parecia grande, tomava-se pequena, os passeios cheios dos mais variados produtos agrícolas, conforme a época do ano.
Não se pense, contudo, que havia confusão: tudo tinha o seu lugar certo, previamente determinado.
Assim, no passeio nascente, desde a Farmácia do Hospital até ao sóto do Barroco era o lugar das hortaliças e outros vegetais, intervalados pelas bancas de tremoços e castanhas da Olímpia e da Sara Pechorra, bem como dos frangos e galinhas vivos, ovos e demais criação.
Do outro lado, havia as doceiras que vendiam rebuçados caseiros, embrulhados em papel de seda e que sabiam melhor do que os das lojas.
Ao lado vendia-se trigo e centeio, medido pelos rasões da Santa Casa com os respectivos rasoiros.
A norte, ocupando todo o passeio e a rua em frente da casa das minhas primas Paulas, ficavam as tendas propriamente ditas, que ocupavam ainda todo o passeio da zona ajardinada.
Havia de tudo, para todos os gostos, desde o capote alentejano, com gola de raposa, passando palas samarras, calças, sapatos, lingerie, artigos de ménage e ferramentas agrícolas.
Pelo meio havia sempre o vendedor da banha de cobra que, desde as lêndeas aos calos e à dor de dentes, tinham remédio milagroso para tudo e todos.
Apareciam os ceguinhos que tocavam e cantavam letras de sua autoria, autênticas tragédias que contavam crimes hediondos e outras tragédias, e que em seguida vendiam os respectivos folhetos.
Indispensáveis também eram os ourives que, para além do ouro e prata, vendiam relógios.
Junto à capela do Santo Cristo situavam-se as padeiras, quase todas de Samões que, para além dos borneiros de alvo trigo e côdea estaladiça vendiam o centeio mais saboroso que já provei e que tantos anos depois ainda me fazem água na boca.
Mas logo a seguir vinha o meu mundo, os brinquedos.
Nesta época de electrónica, em que as crianças desde a mais tenra idade só já conhecem videogames e dissertam sobre software e megabits, seria difícil explicar-lhes a alegria, o prazer com que olhávamos, mesmo sem comprar, uma junta de bois de barro, as bandas de músicos com os seus componentes de casaco azul, calças brancas, boné de pala arredondado e os automóveis de lata que não pretendiam ser a escala reduzida de nenhum modelo.
Mas, havia-os também de madeira, menos numerosos e imaginativos. Eram, basicamente, uma pomba com rodas que agitava as asas quando empurrada por uma pega situada no extremo oposto ou um ciclista que pedalava tão intensamente quanto o ritmo imposto pelo sistema da pomba. Por vezes a imaginação dos artistas ia mais além e aparecia um minúsculo carro de bois, carregando uma pipa.
Aos meus olhos de então, tudo era um deslumbramento, um mundo diferente ainda que muito visto, com aquela capacidade de fazer de conta que só as crianças conseguem; sonhava possuir aquilo tudo, brincar com cada uma daquelas maravilhas, soprando em cada flauta ou ocarina de barro uma melodia que ecoasse do Facho a Bornes...
Se tivesse tudo aquilo já não precisaria de brincar ao eixo, à bilharda, ao pião ou ao carolo com os berlindes que outra coisa não eram do que esferas de rolamentos estragados que o Fernando Cepeda me oferecia.
Mas, a realidade vem sempre interromper o sonho e era arrancado ao meu deleite para, pela mão de meu Avô, irmos à feira das "bestas".

Esta era no Toural, que também servia de campo de futebol e onde, posteriormente foi edificado o actual Hospital que assim saiu das velhas instalações do Rossio.
Vila Flor nunca foi célebre por feiras de gado. Raramente apareciam bovinos, tudo se resumindo a um comércio de burros, muares, um ou outro cavalo, mas essencialmente ovinos, caprinos e suínos.
Compradores e vendedores discutiam preços. Abriam os beiços aos animais, viam-lhes os dentes para determinar a idade, alegavam virtudes ou defeitos, conforme a posição negocial.
Estabeleciam-se igualmente as condições contratuais de pormenor, tais como se a albarda e a cabeçada estavam ou não incluídos no preço.
Depois de uma longa conversa, o comprador adiantava a sua oferta, com o ultimato de que não desembolsaria nem mais um centavo.
O vendedor persistia no preço pedido, como também se de um ultimato se tratasse, cedendo, quando muito, nos arreios.
O negócio ficava, quase sempre por um fio, dada a irredutibilidade de cada
um, até que intervinha um terceiro que assistira a todas as negociações e que dava a chamada "rachadela" que se traduzia na metade da diferença entre pedido e oferta, e que, normalmente, consubstanciava o desejo de ambas as partes que fingiam não transigir.
Concluído o negócio, vendedor, comprador e rachador iam à tasca mais próxima celebrar o acordo, o que se chamava pagar o alboroque.
O dia ia correndo. As pessoas, na Praça, transportavam já diversos embrulhos.
O sol ameaçava esconder-se por detrás da casa da D. Nazaré; os tendeiros começavam a arrumar as suas mercadorias; as sobras dos produtos hortícolas eram ensacadas e carregadas nos burros ou mulas que os haviam transportado e que ansiavam por voltar ao curral.
As pessoas começavam a partir e as camionetas vinham efectuar o transporte de regresso...
A praça ia ficando, pouco a pouco, deserta, abandonando na calçada os vestígios das transacções efectuadas ou goradas A rosa Varredeira iniciava a tarefa de limpeza.
Todo aquele esplendor que marcava ainda um resto de costumes medievais - atente-se que os intervenientes não eram chamados feirantes mas sim tendeiros - desaparecia como que por encanto.
Olhando todo aquele vazio que fazia com que a Praça voltasse a ser enorme, ficava desejando a nova feira que tudo acontecesse do mesmo modo, um modo que, apesar de tudo, me parecia sempre diferente. Era meu secreto desejo que fosse sempre dia de feira."

O texto foi extraído do livro de António Meireles, Vila Flor - Memórias de um outro tempo, recentemente editado pela Câmara Municipal de Vila Flor.

Notas: Das fotografias que ilustram o texto, três são actuais e duas são antigas, restauradas a partir dos originais.
A primeira das fotografias antigas, mostra a Praça da República em 1945. Foi tirada de perto da Casa Africana em direcção à esquina por onde sobe a avenida em direcção ao actual edifício da Câmara Municipal. Em 1949 a avenida já tinha sido rasgada e algumas casas demolidas.
A segunda fotografia antiga, da autoria de Soveral Pastor e datada de 1933, mostra a entrada do Toural Novo e a escola do sexo masculino, à direita.

1 comentário:

Transmontana disse...

Eu nem dormia, quando sabia, com antecedência, que iria à feira, no dia 15 ou no dia 28!!!...
As imagens descritas no texto, ainda fazem parte do meu imaginário!!!
Quando fui viver para Vila Flor, na década de sessenta, a feira ainda se fazia nestes moldes.
Eram dias de grande movimento para a vila!!!
Obrigada, Aníbal,por nos trazer à memória estas recordações, às vezes adormecidas, mas que nos faz tanto bem relembrar!!!
Cumprimentos
Anita