27 dezembro 2008

Salvé, Vila Flor

Ó Terra de encantos, terra fagueira,
Nobre vila, altas tradições -
Salvé, Vila Flor, ó mensageira
De grande história às gerações.

Terra de belezas que fazem sonhar
Quem sobre ti se puser em adoração.
Houve-se a tua voz na solidão,
Até melhor à luz terna do luar.
Salvé, Vila Flor, vila das pombas
Que passam a vida sempre a arrulhar
Em sois de Primavera, pelas alfombras
Sempre a voar, voar ... e voar...

Salvé Vila Flor, vila de amores,
Ó vila de encantos, sejas bem-vinda.
Sim! Vila terna, como és linda,
Terra querida dos nossos maiores...


O poema escrito por J. N. Fonseca foi publicado no jornal Notícias de Mirandela, em 15-10-1960.
A primeira fotografia mostra Vila Flor, depois do pôr do sol, em Dezembro de 2008.
A segunda fotografia mostra o início do vale onde se encontra Meireles. O Cabeço é visível na linha do horizonte.

3 comentários:

Anónimo disse...

BOM DIA SENHOR ANIBAL.COMO VISITANTE DO SEU BLOG APROVEITO PARA LHE DESEJAR UMAS BOAS FESTAS DE FIM DE ANO E UM FELIZ ANO NOVO.
ESPERO CONTINUAR A VER COISAS LINDAS DA NOSSA REGIAO DURANTE O PROXIMO ANO DE 2009.SEM MAIS UM ABRACO AMIGO.GUILHERME SOUSA.
SENS. FRANCA.
AO MESMO TEMPO SE ME PERMITE APROVEITO PARA SAUDAR A D.ANITA.

Transmontana disse...

As fotografias são lindas, para ilustrar um poema que me é muito querido!!!
Muito obrigada, Aníbal,por esta maravilhosa prenda de Natal!!!
Um abraço de toda a família
Anita

Transmontana disse...

Agradeço ao Guilherme Sousa os cumprimentos de boas festa e desejo que o Novo Ano lhe traga muita saúde e felicidades.
Um abraço amigo
Anita