03 fevereiro 2009

Senhora da Lapa


Foste, primeiro, a configuração
Das longas noites de temores de infância:
Uivos de lobo e vento, e a fragrância
Dos pinheiros da minha escuridão...

Doaste-me, depois, a amplidão,
O Sol de lava erguido em minha ânsia.
Mais tarde, foste a gota, de distância
A transbordar da minha comoção...

Correu célere o tempo. A tecedeira
Deixou fogo e água na poeira
Donde partiram todos os caminhos.

És hoje, só, a pedra onde deponho
As ruínas sobrantes de alto sonho,
Sem musgo e penas para novos ninhos!

Soneto de João de Sá, do livro "Flores para Vila Flor", 1996.
A fotografia foi tirada no dia 28 de Fevereiro de 2009, no Arco.
Outros poemas de João de Sá: Flor-poema, Maravilhamento, Absoluto visível, Serra, A pergunta, Consagração.

Fotografias tirada na Senhora da Lapa, dia 02-02-2009.

6 comentários:

Transmontana disse...

Lindo o soneto e lindas as fotografias!!!
Parabéns, Aníbal, por nos mostrar coisas tão lindas, sem pedir nada em troca...
Muito obrigada!!!
Cumprimentos
Anita

Esmeralda disse...

Olá
Subscrevo na íntegra o que a minha querida conterrânea acima escreveu.
Fico feliz por o que vejo e leio: tanto pelas fotos e textos, bem como pelos comentários que, com esta "ausência" involuntária, vejo/sinto que há sempre alguém que RESISTE/A. E... nesses (comentários) me revejo... FORÇA. OBRIGADA a ambos!!!
Abraço-vos
Esmeralda

Transmontana disse...

Bem- vinda, Esmeralda!!!
Há quanto tempo, não tinha o prazer de ver os seus comentários, sempre tão oportunos e pertinentes...
Um beijinho
Anita

Esmeralda disse...

Olá
OBRIGADA QUERIDA "TRANSMONTANA".
o que eu queria/gostava mesmo é que mais gente comentasse este trabalho repleto de ELEVADA SENSIBLIDADE acrescido de um ENORME SABER e de uma GENEROSIDADE ÍMPAR...
Um grande beijinho, profª Anita.
Abraço
Esmeralda

Esmeralda disse...

SENSIBILIDADE

Anónimo disse...

Excelso o Poema, eloquentes as fotografias! Olhando o conjunto, vêm-me à lembradura, também, aqueles versos de A. Herculano: "Amo-te, oh cruz, no vértice firmada de esplêndidas igrejas / amo-te, quanto junto ao cipreste alvejas ... etc" - procurem a "Cruz mutilada" in Harpa do Crente.
"Elevada Sensibilidade", alguém disse! - e creio que não estava a falar de uma sensibilidade medida em ASA's ou ISO's... exacto! o Artista (o Divino e o humano), mede-se pelas ASA's da imaginação e por IStO.
N.