08 maio 2007

Ribeirinha


Continuação do passeia a Vilarinho das Azenhas (06-05-2007)
Entre Vilarinho das Azenhas e a Ribeirinha há três vias quase paralelas: o rio, o caminho e a linha do comboio (Linha do Tua). Qual delas seguir? Qual delas a mais bonita, a mais viva e colorida? Nem sei se agora passa por aqui algum comboio, depois do que aconteceu há pouco tempo atrás com a composição que caiu ao rio.. Passei por aqui com mais de 30 amigos no dia 25 de Junho de 2006. Comentávamos que poderia ser a nossa última viagem nesta linha. Infelizmente parece que tínhamos razão!
Antes de chegar à Ribeirinha apreciei de novo o espectáculo que está a linha do comboio. Uma caminhada, linha abaixo, até ao Tua seria uma boa aventura…
Junto do rio há muita erva, é muito difícil circular. Concentrei a minha atenção na zona habitacional.

Na primeira viagem não tive oportunidade de visitar as duas capelas, ambas de S. António, tal como a maior festa do lugar, realizada a 13 de Junho.
A Capela Nova, sofreu obras de restauro em 2001, ainda lá está um grande painel publicitário do Estado! O seu interior é muito singelo e parece inacabado. A imagem mais curiosa que vi foi o Menino Jesus de Praga.
Percorri algumas ruas e dei comigo junto à Capela Velha de Santo António. Junto ao sino está gravada a data de 1918. Esta capela nem sempre foi assim. A quando do último restauro foi retirado tudo o que restava do altar. Ficou uma parede muito vazia mas nem por isso deixa de ser acarinhada pelas pessoas da aldeia. Aqui o Santo António ocupa o lugar cimeiro. Em volta da capela há um bonito jardim, cheio de rosas.

Tive ainda oportunidade de conhecer um quase conterrâneo meu, lá dos Folgares, que se mudou para a Ribeirinha há cerca de 50 anos.
À saída da aldeia, em vez de seguir pela estrada decidi subir a um monte sobranceiro explorando novas vistas. Valeu a pena o esforço. A visão que tem da Ribeirinha e de Barcel, com o rio a meio, é muito bonita. O sol estava cada vez mais baixo, criando locais de sombra e transparência nas flores e folhas da vegetação em redor. Até de avista Vilarinho das Azenhas, com o seu santuário!
Vim apanhar de novo a estrada a mais de um quilómetro da aldeia e a já a 317 metros de altitude. Comecei a subida lenta (até a bateria da máquina fotografia acabou!), mas desta vez muito melhor do que em Novembro de 2006.
Cheguei a Vilas Boas quando os últimos raios de Sol, já de um alaranjado muito pálido, batiam na torre da igreja. Com um pouco mais de esforço, cheguei aos 676 metros de altitude e depois foi só pedalar alegremente até Vila Flor.
Quilómetros percorridos neste percurso: 33
Total de quilómetros de bicicleta: 1016
Total de fotografias: 21 110

1 comentário:

Guedesnet disse...

olá Anibal
A foto das flores junto á linha está fantástica...são muitos anos.
Um abraço