04 julho 2009

Freguesia Mistério 29

O desafio Freguesia Mistério n.28 tornou-se um dos mais difíceis e menos participado de todos os tempos. Não me admira, também foi um bom desafio para mim e só o descobri por mero acaso, quando na verdade procurava algo completamente diferente. Houve 10 participantes, que votaram em 10 freguesias diferentes e 1 deles acertou. A freguesia mistério é Benlhevai. A votação ficou distribuída da seguinte forma:
Benlhevai (1) 10%
Freixiel (1) 10%
Lodões (1) 10%
Mourão (1) 10%
Nabo (1) 10%
Samões (1) 10%
Sampaio (1) 10%
Vila Flor (1) 10%
Vilarinho das Azenhas (1) 10%
Vilas Boas (1) 10%
Trata-se de um marco geodésico antigo, em alvenaria, de uma rede que se encontra hoje abandonada. Está situado no Alto da Serra, entre Valfrechoso e Benlhevai e, com atenção, é visível da estrada nacional, bem no alto do monte. O acesso é fácil, mesmo de carro ligeiro, por uma caminho que se dirige para Ribeiral e para Mucha Gata. É único exemplar que conheço no concelho de Vila Flor, mas há pelo menos dois semelhantes no concelho de Carrazeda de Ansiães: um em Parambos (fotografado por Li Cardoso) e outro em Codeçais (fotografado por Jorge Delfim). Com a cartografia digital e os GPS's a rede de marcos geodésicos, entre nós também chamados talefes, vão perdendo a importância e muitos deles estão em risco de se perderem. Penso ainda vir a fazer uma listagem dos marcos geodésicos do concelho, aqui, no blogue.
Para compensar, o desafio da Freguesia Mistério n.º29 é muito fácil. É um cruzeiro, como se pode ver na fotografia, é muito interessante e bonito, situado dentro do perímetro de uma freguesia onde há bastantes visitantes do Blogue.
Em que Freguesia podemos encontrar este cruzeiro?




Freguesia Mistério 29


Em que freguesia podemos encontrar este cruzeiro?








2 comentários:

Anónimo disse...

Mucha Gata?
Ou Muxagata (como em c. Meda)?

Xo_oX disse...

É claro que essa questão se me colocou e os locais saberão como escrever correctamente. Como eu escrevi parece mais castelhano, mas escrevi como o vi escrito nos mapas do Instituto Geográfico do Exército. É frequente os nomes dos locais estarem incorrectamente escritos.