19 julho 2009

VII TerraFlor; o terceiro dia (18)

video
O terceiro dia da VII TerraFlor iniciou-se com o colóquio Cooperativismo e adegas do Douro. Apesar do tema ser muito interessante, foram poucos os produtores que fizeram questão de estar presentes. Ainda estou a tentar perceber o que se passa e talvez volte mais tarde a falar deste assunto. Achei o colóquio interessante. Penso que foram apontadas muitas linhas de rumo que a Adega Cooperativa de Vila Flor pode seguir, não sei é se há vontade e coragem para tanto. Este colóquio, que estava previsto para todo o dia, acabou por caber na manhã, terminando perto da uma da tarde.
Às dezassete horas, com o dia muito agradável, ao contrário dos dois últimos dias feira, seria de esperar que houvesse mais gente no recinto da feira, mas os visitantes foram poucos e os expositores presentes ainda menos. Não percebo porque é que a feira abre às dezassete horas se a maioria dos expositores só aparece às dezanove.
Hoje jantei na feira em companhia da família e de um amigo. Escolhemos entrecosto com batata a murro e uma salada mista. Para sobremesa comemos melão. Fomos bem servidos, a comida estava muito saborosa e o vinho ainda mais. Só a simpatia do servente é que deixa muito a desejar (quem é de Vila Flor, sabe de quem estou a falar). O preço não foi exagerado e por isso recomendo a todos que, amanhã, façam uma refeição na feira. Também ouvi gabar um cabrito que se comia noutro restaurante.
Pelas vinte uma horas foi o lançamento do livro do vilaflorense Fernando Silva, “Raiz da Minha Essência”. Tive o prazer de conversar com o autor durante a tarde e tenho já alguns poemas seus, que, a seu tempo, serão publicados no Blogue.
A noite foi-se animando com a chegada de um grupo de bombos da Associação da Tarana. Este grupo não constava do programa!
A noite estava muito agradável e o recinto da feira estava finalmente cheio de gente. Todos os factores se conjugaram para que a noite do dia 18 fosse realmente um sucesso. Quando os Santos e Pecadores subiram ao palco já havia uma multidão à sua frente para os escutar. Estes abriram a sua “Caixa dos Segredos” e encantaram toda a gente. Os Santos e Pecadores são um grupo pop, de grande sucesso, mas não deixa de ser pop. O vocalista, Olavo Bilac, tem realmente uma voz muito peculiar e bonita, que encaixa como uma luva em sucessos como “Fala-me de amor”, “Não voltarei a ser fiel” ou “Momento final”. Estas canções são a voz do Olavo. O público animava-se em cada sucesso e com toda a banda a puxar. A certo momento largaram-se os instrumentos eléctricos, à excepção da viola baixo e o concerto virou-se para o acústico. Criou-se um ambiente mais intimista muito do agrado dos casais de namorados.
O concerto prolongou-se um pouco para além da meia noite, ninguém estava com muita vontade de deixar o recinto. Foi um verdadeiro dia de feira/festa.

Não esquecer a sondagem O que pensa do VII TerraFlor? na margem direita do Blogue.

2 comentários:

Carlos Alexandre disse...

Amigo Aníbal!
Em primeiro lugar, e mais uma vez, um muito obrigado pela informação desponibilizada no blogue, que é sem dúvida um verdadeiro mensageiro de tudo o que acontece de relevante na nossa terra.
Posto isto, apenas um pequeno comentário, ou achega, como lhe queiram chamar, relativamente à fraca ou nenhuma adesão ao colóquio sobre o tema "Cooperativismo e Adegas do Douro".
Como sabemos, a maioria dos produtores vitivinícolas do nosso concelho, são pessoas humildes e cuja formação académica é muito baixa ou até nenhuma. Ora estas pessoas de bom coração, ncessitam, para se unir em torno de uma causa de alguém que as motive, e que esteja permanentemente em contacto com elas. Visitando-as nas suas lacalidades, falando com elas, explicando-lhes em pormenor as coisas, para que ganhem a tal motivação e se sintam apoiadas e cientes daquilo porque lutam.
Também sabemos que, nos últimos anos, a nossa adega teve a dirigi-la pessoas, que de gestão e união de massas, pouco ou nada percebiam, e muito menos de vinhos. A não ser bebelos, claro!!.
Mas que não se pense que será melhor, de agora em diante, porque quem está, apenas se move pelos interesses do seu próprio umbigo. Não fossem elas concorrentes da própria instituição. Mais, ainda, as contas que os "desgraçados" dos sócios vão aprovando ano a ano, praticamente em nada correspondem à realidade... basta solicitar um balacente analítico, e analizar algumas rubricas para se perceber o quanto desfasadas estão da realidade.
Amigo Aníbal, tente lá perceber a razão da fraca adesão que se verificou, e volte aqui a falar da questão. Que é mais complexa, do que à partida nos parece.....
Um abraço

Anónimo disse...

Em primeiro lugar vou-lhe dar os parabéns, só o professor Aníbal para nos mostrar tudo que há de bonito na nossa terra e concelho...
Também quero felicitar o escritor Fernando Silva, meu amigo de infância. Já pedi aos meus familiares para adquirirem o seu livro, pena eu tenho de não poder estar presente.
Um abraço.
Manuel.