01 março 2008

Exposição de Fotografia Testemunhas, aberta ao público

A exposição de fotografia Testemunhas, abriu as portas. Depois de alguns dias de alguma expectativa, foi com muito agrado que recebi as primeiras visitas, na minha primeira exposição de fotografia. Os amigos que fizeram questão de estar presentes, são dos concelhos de Mogadouro, Vila Flor e Carrazeda de Ansiães. Alguns deles acompanham o meu prazer fotográfico há décadas, outros, descobriram-no neste Blog, em viagens À Descoberta de Vila Flor. Muitos outros não puderam estar presentes, mas sei que tudo farão para virem a Vila Flor, visitar a exposição.
Depois da Drª Gracinda, em nome da Câmara Municipal de Vila Flor, agradecer toda a divulgação que tenho feito do concelho, tocou-me dizer algumas palavras, das quais alinho duas ou três ideias.
A exposição deve ser entendida como um prolongamento do Blog. Uma viagem ao encontro de ornamentos em ferro, alguns finamente entrelaçados, outros rusticamente soldados, mas todos inspiradores de várias leituras, apesar de limitados à paleta de tons que vacila entre o banco e o negro.
Todas as fotografias têm um elemento comum, o ferro. A escolha por este motivo, resultou de um conjunto de factores, aos quais não é alheio o facto de em Vila Flor existir um bom conjunto de casas centenárias, que apresentam bonitos trabalhos em ferro, em janelas, varandas, candeeiros, etc. Apesar do grande interesse que me despertaram, o tema poderia ter sido outro, não faltam no concelho motivos interessantes para fotografar.
Faço esta exposição com grande humildade. Apesar de gostar das fotografias expostas, encaro mais este desafio com um processo e não como um fim. A fotografia exige além de gosto e jeito,
técnica, estudo e aprendizagem. Mais do que mostrar um produto final, exponho as fotografias como o produto de uma etapa, importante, mas intermédia, num processo de aprendizagem que não tem final à vista. Depois de algumas dezenas de pessoas olharem cada uma das fotografias expostas, soube finalmente como as vêem. Surpreendeu-me, positivamente, na maioria dos casos. Por mais que as fotografias sejam olhadas, lidas, despidas, ninguém as vê como eu as vejo. Eu vejo nelas momentos. Vejo as cores e os odores, vejo a realidade e a ficção que tentei construir.Decidi chamar à exposição Testemunhas. Este título foi-me inspirado pela literatura. Depois de ler alguns livros de autores vilaflorenses, a minha visão do concelho alterou-se. Não necessito de citar os autores, os visitantes deste blog conhecem-nos. Por várias vezes tenho recorrido às palavras desses autores para conseguir transmitir mais força às minhas fotografias. Através deles, vejo (ou imagino), os locais, as pessoas, as alegrias e as dificuldades. Muitos dos objectos em ferro que fotografo, foram testemunhas. Contam-me os pormenores, assim como contarão a outros o nosso presente. Estas testemunhas unem o passado ao presente e estes ao futuro. À sua aparente frigidez e dureza, responde a sua graciosidade, a harmonia, a posição elevada, tornando-os contadores de histórias para ouvidos atentos ou olhares sensíveis.
Apesar da alegria que tive em partilhar as minhas fotografias com os meus amigos, com alguma pompa e circunstância, desejei estar por esses caminhos, pedalando ao sabor do vento, de câmara em riste, ameaçando sugar as alma a outros motivos, cativá-los nessa caixa mágica, ainda que em tons de cinza.
A exposição vai manter-se aberta durante todos os dias da semana das 9 às 12 e das 13 às 16 horas. Durante os fins-de-semana estará aberta Domingos à tarde. Se se justificar, abrirá também Sábados à tarde.

3 comentários:

Anónimo disse...

olá professor,muitos parabéns pelos seus testemunhos,fui hoje visitar a exposição, muito interessante!força para continuar o seu belo trabalho,é o que lhe desejo.

Li Malheiro disse...

Olá.
Foi de uma grande honra para mim estar aqui, e fotografar este momento de revelação pública, para nós já não é novidade, da qualidade fotográfica do Aníbal. Da qualidade, da riqueza dos pormenores, da luz e dos enquadramentos que dão um testemunho de arte através das coisas banais do quotidiano. Por vezes nem reparamos mas é importante valorizar pois é o nosso património próximo.
Imperdível.
Abraço com amizade.
Li Malheiro

Guedesnet disse...

muitos parabéns, que seja a primeira de muitas de sucesso, eu sou testemunha da tua paixão de há muitos anos pela fotografia, servi até de cobaia!!!
um abraço